- Publicidade -

Governo Central tem menor déficit para setembro em quatro anos

Valor foi 14% menor que o do mesmo período do ano passado

- Publicidade -

Com a ajuda dos dividendos de bancos públicos, o Governo Central (Tesouro Nacional, Previdência Social e Banco Central) obteve, em setembro, o menor déficit primário em quatro anos. No mês passado, as contas ficaram negativas em R$ 20,372 bilhões. O resultado foi 14% melhor que o do mesmo mês do ano passado, já descontada a inflação oficial pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA).

Para meses de setembro, o resultado foi o melhor desde 2015, quando o Governo Central tinha registrado déficit de R$ 7,182 bilhões. Nos nove primeiros meses do ano, o Governo Central acumula déficit primário de R$ 72,469 bilhões. Esse é o melhor resultado para o período desde 2015 (déficit de R$ 24,564 bilhões).

Déficit primário

- Publicidade -

O déficit primário é o resultado negativo nas contas do governo desconsiderando o pagamento de juros da dívida pública. O resultado veio melhor que as expectativas dos analistas de mercado. Na pesquisa Prisma Fiscal, divulgada todo mês pelo Ministério da Economia, as instituições financeiras estimavam déficit primário de R$ 22,4 bilhões para setembro.

O Orçamento Geral da União deste ano estabelece que o Governo Central fechará 2019 com déficit primário de R$ 139 bilhões. Para alcançar essa meta, o governo teve de contingenciar (bloquear) R$ 30 bilhões do Orçamento no fim de março. Nos últimos meses, a equipe econômica liberou recursos, graças aos dividendos de estatais e a recursos do petróleo. O total contingenciado em outubro estava em R$ 17,111 bilhões.

Dividendos

Em setembro, as receitas subiram R$ 3,6 bilhões acima da inflação na comparação com o mesmo mês do ano passado. O principal motivo foi o pagamento de R$ 5 bilhões de dividendos de bancos oficiais – R$ 3 bilhões da Caixa Econômica Federal e R$ 1,8 bilhão do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).

Os dividendos são a parcela do lucro que as empresas pagam aos acionistas. No caso das estatais federais, o principal acionista é o Tesouro Nacional, que recebe os recursos e reforça o caixa.

Pela nova política de pagamento, os bancos públicos passaram a recolher os dividendos no próprio ano, baseados no lucro do primeiro semestre. Segundo o Tesouro, a mudança não representa uma antecipação porque a política se tornará permanente, com os bancos submetidos a um limite máximo de dividendos que podem repassar à União.

Ajuste

No acumulado do ano, o ajuste fiscal está ocorrendo pelo lado dos gastos. Até setembro, as receitas líquidas subiram 0,5% descontando a inflação oficial pelo IPCA. As despesas totais acumulam queda de 1,1% também descontando a inflação. As maiores reduções de gastos foram registradas nas despesas discricionárias (não obrigatórias), com queda de R$ 15 bilhões descontado o IPCA, nos subsídios e subvenções (R$ 3,2 bilhões) e na compensação da desoneração da folha de pagamento (R$ 2,9 bilhões). As despesas com o funcionalismo subiram R$ 2 bilhões acima da inflação, mas a maior alta ocorreu nos gastos com a Previdência Social, com alta de R$ 12,5 bilhões acima do IPCA.

Previdência

A Previdência Social registrou déficit recorde de R$ 165,254 bilhões de janeiro a setembro. O déficit foi parcialmente compensado pelo superávit de R$ 93,166 bilhões do Tesouro Nacional. O Banco Central teve déficit de R$ 381 milhões, resultando no superávit primário de R$ 72,469 bilhões do Governo Central acumulado do ano.

Em relação às despesas, os gastos de custeio (manutenção da máquina pública) caíram 7% nos nove primeiros meses do ano, descontada a inflação. O maior recuo, no entanto, foi registrado nos investimentos federais (obras públicas e compra de equipamentos), que somaram R$ 27,351 bilhões de janeiro a setembro, com queda de 17% em relação ao mesmo período do ano passado, descontada a inflação.

O Tesouro voltou a divulgar as estatísticas do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC). Nos nove primeiros meses do ano, o programa executou R$ 13,913 bilhões, com retração de 16,5% em valores corrigidos pelo IPCA.

- Publicidade -

Falando Nisso...
Conteúdo Relacionado

Mais Notícias
Conteúdo recomendado para você

Kobe Bryant, astro da NBA, morre em acidente de helicóptero nos EUA

Queda de aeronave vitimou outras quatro pessoas à bordo da aeronave

Horóscopo de segunda-feira 27 de janeiro de 2020

Confira as previsões para o amor, dinheiro e saúde.

Vasco da Gama vence a primeira no Carioca com gol de Cano, veja o Gol

Argentino marcou seu primeiro gol pelo Gigante da Colina

Expectativa de reabertura do Museu Nacional emociona pesquisadores

Equipes trabalham intensamente na busca e restauro de peças do acervo

America goleia o Americano

Christianno, Flamel, Anderson Künzel e Wallinson marcaram os gols do Rubro.

Friburguense vence o Nova Iguaçu

Com o triunfo, o Tricolor Serrano chegou aos 4 pontos, junto do America

Madureira vence a terceira e segue 100%

Na próxima rodada, o Madura volta a jogar na terça-feira (28), às 19h15, contra o Boavista

“Sinal Vital” é o primeiro single do novo trabalho do Sorriso Maroto

As cenas mostram a banda interagindo com vários personagens

Céu lança clipe de “Corpocontinente”

A obra de Céu é marcada pelo posicionamento político sem panfletagem

Horóscopo de domingo 26 de janeiro de 2020

Confira as previsões para o amor, dinheiro e saúde.

Salve-se Quem Puder: O encontro de Alexia e Renzo em Cancún

Salve-se Quem Puder’ é a próxima novela das sete, criada e escrita por Daniel Ortiz

Ivete Sangalo lança novo EP e videoclipe

Anunciando o que está por vir, o EP abre com a faixa-título, “O Mundo Vai”

Wesley Safadão muda o visual para nova show

Cantor aposta no "Buzz Cut", estilo de cabelo totalmente diferente do início da carreira

Aline Riscado estrela novo clipe de dupla sertaneja

Os donos do sucesso “Golzinho Quadrado”, Júnior e Cézar gravaram em Maringá com a musa do verão