- Publicidade -

Por que os professores de Humanas são de “esquerda”?

Não há incompatibilidade entre a disciplina que você ministra e suas posições políticas. I

- Publicidade -

Por Daniel Medeiros* – Quero começar essa reflexão com uma resposta simples: não! Os professores de Humanas não são, necessariamente, de esquerda. Aliás, muitos professores da área das Exatas e das Biológicas o são. Não há incompatibilidade entre a disciplina que você ministra e suas posições políticas. Isso, é claro, não passa de uma generalização. E, como tal, é uma falácia. Falácia é um argumento falso que tenta passar por verdadeiro. Uma mentira, portanto.

Dito isso, quero destacar o que me parece ser o ponto mais importante dessa reflexão: Por que associar o ensino das Humanas – História, Artes, Filosofia, Literatura – a uma posição política e/ou ideológica? Há aqui algo mais do que uma simples falácia ou uma expressão de desconhecimento, aquilo que chamamos de “ignorância”. Há uma intenção, que é a elaboração de uma ação voltada a um fim que ainda não é muito claro para o espectador naquele momento. E essa intenção pode não ser nada democrática. Ou mesmo civilizacional.

- Publicidade -

Tentarei agora explicar melhor este ponto. Para isso, usarei uma conceituação elaborada pela professora Martha Nussbaum, filósofa norte-americana, uma das cem intelectuais mais influentes do mundo, segundo a Foreign Policy, professora da Universidade de Chicago, tendo lecionado em Harvard e Brown e que participará do Fronteiras do Pensamento desse ano. Martha Nussbaum estabelece uma diferença entre “empatia” e “compaixão”. Para ela, empatia é a “habilidade de pensar como é estar no lugar do outro”. É um passo e tanto mas, segundo ela, ainda não suficiente para consolidar uma sociedade democrática e civilizada. Afinal o torturador, o sádico, o agressor de mulheres, menores e homossexuais, têm empatia. Por isso diverte-se e vangloria-se muitas vezes de seus atos. Compaixão, por sua vez, é o sentimento que “diz que os obstáculos enfrentados pelo próximo são ruins”. Observe: a compaixão é um sentimento que não exige que você se coloque no lugar de ninguém, apenas que saiba que o outro passa por maus bocados. Você sabe disso, tem consciência disso, não disfarça essa informação, não escamoteia esse conhecimento. Isso é compaixão.

E como podemos desenvolver essa habilidade, essa atenção, esse cuidado com os obstáculos que os outros enfrentam e compadecer-se deles, mobilizando nossa própria energia e tempo para ajudar? Segundo a autora, há um só caminho: o ensino das Humanidades na escola! A arte, a Literatura, a História, a Filosofia são os caminhos, em uma sociedade laica, para que uma criança aprenda que um colega que possui uma orientação sexual diferente, uma etnia diferente, uma limitação diferente, qualquer coisa diferente, enfrenta obstáculos que não precisariam estar ali e que, por isso, precisam ser removidos. E por quem? Por você, por mim, por todos.  E o que faz essa postura, esse aprendizado, essa prática civilizacional, alguém se tornar “de esquerda”? Nada.

- Publicidade -

Parece, claramente, que esse tipo de “acusação”, esse dedo apontado como o de um policial diante de um flagrante, visa tentar impedir que se desenvolva esse espírito de compaixão entre as crianças e os jovens. Há muitas razões para isso, a começar pela própria ideia de “sucesso”, que só é possível em referência a algo ou alguém. Bacana (muito!) é o sucesso de pessoas que disputam coisas em igualdade de condições. Mas há tanta gente medíocre e preguiçosa que precisa de uns (vários!) pontos de vantagem. E aí se acostumam com isso, imaginando que esse privilégio (de estar sempre à frente, mesmo sem ter feito nada para isso) é um direito e que buscar tratar os outros com o mesmo sentimento de igualdade (igualdade de oportunidades, de possibilidades) é um risco. Uma verdadeira ameaça. E então nasce o mito do “esquerdismo”. E toda essa algaravia desconcertante.

Montaigne, livre pensador do século XVI, imaginava que a melhor forma de Educação das crianças era estimulando o diálogo com a outras. E para quê? “Para desenvolver o senso de relatividade entre todas as coisas.”Crianças de cabeças bem feitas”, dizia ele. Bem feitas pelo atrito umas com as outras. Só pelo aprendizado do que o outro passa e pela compreensão de que há vidas ruins, sórdidas, doentias, desafortunadas, é que podemos traçar o que é correto e incorreto no âmbito público – aquele espaço no qual pessoas diferentes vivem. A isso se chama “civilidade”. E sem essa civilidade, seremos apenas bestas. Não é a toa que História, Filosofia, Literatura e Artes se chamam “Humanidades”. O que se será que elas formam? Não, não são “esquerdistas”. Tente mais uma vez…

- Publicidade -

*Daniel Medeiros é doutor em Educação Histórica e professor no Curso Positivo.

- Publicidade -

Falando Nisso...
Conteúdo Relacionado

Mais Notícias
Conteúdo recomendado para você

As Açucenas estreia no Sesc Copacabana

O espetáculo evoca a memória poética de Federico Garcia Lorca

Ivete Sangalo apresenta Live Experience na Jeunesse Arena, na Barra da Tijuca

A cantora reproduzirá o show do registro audiovisual de seu projeto, que celebrou seus 25 anos de carreira

Antecipação de recebíveis movimentou R$ 83 bilhões no Brasil

Fintech Giro.Tech desenvolve tecnologia para as empresas anteciparem recebíveis aos seus fornecedores. Isso melhora a relação entre as duas partes, fortalecendo toda a cadeia produtiva.

Salão Carioca do Livro começa hoje no Rio

Entre os autores convidados para a edição deste ano estão Luis Fernando Veríssimo, Zuenir Ventura, Paulo Lins, Mary Del Priori, Miriam Leitão e Lourenço Mutarelli.

Caso Ágatha: Comissão de Direitos Humanos da OABRJ atuará agora junto ao MP

Os advogados esperam que o MPRJ mantenha a tipificação de homicídio doloso atribuído ao policial militar e o denuncie à Justiça.

Trens retirados de circulação no Rio voltam a operar gradativamente

A informação foi divulgada na noite de ontem (19) pela Secretaria Estadual de Transportes.

Maia critica deputado por arrancar placa de exposição na Câmara

A peça fazia parte de uma exposição “(Re)existir no Brasil: Trajetórias Negras Brasileiras” em homenagem ao Dia da Consciência Negra

Globoplay anuncia minissérie exclusiva ‘Hebe’

Produção em dez episódios que conta a história da apresentadora chega à plataforma de streaming no dia 13/12

Programão Carioca terá edição especial no domingo, dia 24, em Duque de Caxias

Projeto da Globo promoverá oficinas culturais, apresentações e feira cultural pelo Dia da Consciência Negra. Sessão do musical ‘Elza’ encerrará a programação gratuita

MRV inaugura espaço tecnológico para inovar os tradicionais plantões de venda

Após lançar nova marca e posicionamento ao completar 40 anos, MRV apresenta Centros de Experiência para oferecer uma nova experiência aos clientes

Maia anuncia agenda legislativa para o desenvolvimento social

A Agenda de Desenvolvimento Social é dividida em cinco pilares e foi elaborada por um grupo de cinco deputados e um senador.

Melim e Diogo Nogueira são as atrações do Estação Rio em Nova Iguaçu

O projeto musical da Globo, que tem patrocínio da Coca-Cola e apoio da Rede Multi Market, leva shows gratuitos e de grandes artistas a diferentes bairros e municípios do Rio.

PL prevê pausa para ginástica laboral em jornadas de trabalho acima de 6 horas

Projeto de lei acrescenta parágrafo na CLT, fixando 30 minutos para desempenho de exercício funcional em locais de trabalho com jornadas mais longas

Governo federal vai conectar 100% das escolas públicas aptas a receber internet

Acesso à web alcançará cerca de 70 mil instituições de ensino, em 5.296 municípios