- Publicidade -

Damares Alves: abuso não se justifica nem se explica, se pune

A questão do abuso sexual foi um dos principais temas da entrevista da ministra da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, Damares Alves, ao programa Impressões, da TV Brasil, que vai ao ar na próxima terça-feira (6).

Na conversa com a jornalista Roseann Kennedy, a ministra foi incisiva ao rejeitar qualquer tentativa de justificar uma violência sexual. “Abuso não se justifica, não se explica, não se minimiza e não se relativiza. Abuso é abuso. E o abusador tem que ser contido, preso e punido”, disse.

Damares fala também dos altos índices de abusos sexuais registrados na Ilha do Marajó (PA) e do programa de prevenção e combate a este tipo de crime que começou a ser desenvolvido na região. Explica, ainda, a polêmica em torno do projeto de levar uma fábrica de calcinhas para o local.

Outros temas abordados na entrevista foram o trabalho da Comissão da Anistia e a disputa pelo comando da Fundação Nacional do Índio (Funai).

Em dado momento a ministra conta, ainda, como é viver sempre escoltada e sem endereço fixo e até brinca com o fato de estar solteira. Confiram, abaixo, os detalhes da entrevista.

Roseann – A questão do abuso sexual é um tema que, obviamente, custa muito caro para a senhora. Mas a polêmica mais recente com a senhora é uma proposta para construir uma fábrica de calcinhas na Ilha do Marajó (PA), entre as medidas para enfrentar a violência sexual. Então, faz a gente entender o que foi isso.

Damares – Veja só, eu entendo que abuso não se justifica, não se explica, não se minimiza e não se relativiza. Eu rejeito qualquer justificativa para abuso. Abuso é abuso. É o abusador tem que ser contido, tem que ser preso e tem que ser punido. E nós, numa região no Brasil em que o abuso acontece de uma forma muito maior em relação a todo o país, que é a região da Ilha do Marajó, inclusive, usa-se o que acontece lá para justificar. Por muitas vezes eu recebi o seguinte recado: você nunca vai conseguir resolver o problema do abuso no Brasil porque é cultural. Já existe até alguns pesquisadores querendo defender a tese de que pedofilia no Brasil é cultura. Eu rejeito que pedofilia seja cultura do povo brasileiro. Eu rejeito essa afirmação. E muitas vezes disseram que lá na Ilha do Marajó, é comum o estupro de meninas, o abuso e o incesto. Incesto não pode ser cultura. Inclusive a questão do incesto, ela é tão comum no Brasil que ela está em nossas lendas. Sabe a lenda do boto? Que no passado a gente via falar que lá na região ribeirinha as pessoas acreditavam que o boto engravidava menina? A história do boto é uma grande farsa. Era o pai que engravidava a menina e botava a culpa no boto. E aí a Ilha do Marajó é usada como exemplo. Lá é cultural e eu tenho um amor ao arquipélago do Marajó. Há quinze anos, estou envolvida com ações de enfrentamento ao tráfico de mulheres que acontece lá, à violência sexual contra mulheres e meninas, mas à violência doméstica também.

Quando ministra, nós temos que ter uma região para a gente desenvolver projetos e o presidente da República deu uma ordem para irmos atrás dos invisibilizados (sic). Vamos buscar aquelas pessoas que nunca foram alcançadas. Então resolvemos ir para lá. E aí, conversando com os agentes envolvidos com o arquipélago, uma autoridade me disse “olha, ministra, abuso lá é tão grande e há um estudo que falam que um dos motivos de abusar meninas é porque elas são tão pobrezinhas que elas não têm calcinha” Aquilo me irritou demais. Como é que tu vais justificar o abuso por falta de calcinha? Aí em uma reunião eu disse, olha, se o problema da ilha do Marajó é fome, vamos levar comida. Se estão abusando de meninas por falta de emprego, vamos levar empresas para lá, vamos levar a fábrica. Inclusive me disseram que o abuso é por falta de calcinha, vamos levar calcinha. Na verdade, levar não, levar uma fábrica de calcinha. Pegaram quando eu estou irritada falando que eu não aceito nenhuma justificativa para o abuso, pegaram só essa frase, de novo. Editaram. E disseram que eu falei que o abuso lá é por falta de calcinha. Inclusive essa autoridade que levou a informação, ela quer se pronunciar. Eu disse, não, fica quieto. O problema é comigo. O problema não é que eu falei, o problema é torcer para não dar certo. O problema é uma torcida muito grande que este governo não dê certo.

Roseann – A senhora se sente perseguida?

Damares – Não, não me sinto perseguida. Não sou eu que estou sendo perseguida, é a ideologia que estamos trazendo. É a proposta que estamos trazendo. São as iniciativas que estamos trazendo. É o Governo. Então assim, como eu estou mais em evidência hoje, daqui a pouco não serei mais eu, será um outro ministro, vamos atacar o que ela fala. Então eu já estive em lugares onde as pessoas ficam de plantão, assim, com a câmera, esperando uma palavra. O lance do cabelo. É tão incrível. Por que que ela cortou o cabelo? Ministra a senhora cortou o cabelo por quê? A senhora vai entrar no Tinder? Eu falei para um repórter, não, Tinder é de adolescente. Eu vou abrir um site para receber currículos. Olha, isso eu falei para um repórter depois de quatro horas de enfrentamento em uma comissão na Câmara. Um debate acirrado onde eu chorei, parlamentares choraram, abrimos o coração, falamos do enfrentamento à violência. Depois de quatro horas o repórter sai comigo da sala, eu achando que ele ia perguntar alguma coisa de tudo sério que falamos, e perguntou “ministra, a senhora vai entrar no Tinder mesmo? ” Eu fiquei tão irritada que eu disse assim: não, Tinder é para adolescente. Eu vou abrir um site. Duas horas depois espero a manchete sair desse jornalista. Ministra abre site para receber currículo. Mas o bom é que tá chegando. Vai que cola. (risos) 

Roseann – Eu vou continuar com a brincadeira para saber uma coisa: quem é o marido que vai aguentar o ritmo da sua agenda e essa própria questão de segurança? A senhora não pode ter endereço fixo, vive escoltada.

Damares – Vai ser difícil, vai ser difícil alguém querer se arriscar. Um já foi embora. E eu não era nem ministra, né? É difícil. Inclusive eu queria falar sobre isso porque quando o presidente instituiu o Ministério da Família disseram que ele ia querer, agora, uma família tradicional, natural, que só isso é a família para ele. Não! Eu sou uma família diferente, eu sou uma mulher sozinha, e somos milhões no Brasil, de líderes da família, mulheres como chefe de família. Eu sou uma mulher sozinha, mãe de uma filha indígena. Tem família mais diferente que a minha? Não tem. E mãe socioafetiva, porque eu não oficializei a adoção de minha filha, né? E porque não oficializei? Porque minha filha tem pai e mãe na aldeia; ela ama o pai e a mãe na aldeia. Então nós somos uma grande família. Essas famílias existem e elas precisam ser fortalecidas. Então o governo vem pensando em todas as configurações familiares.

Roseann – Essa parte indígena, aliás, foi alvo de mais uma polêmica do ano, sobre quem fica com o comando da Funai, que ficou com o Ministério da Justiça. A senhora disse que será guarda compartilhada. Não abre mão? 

Damares – E eu tenho legitimidade para trabalhar com os índios. Mas quando a Funai veio para este ministério, foi muito pensado, o Ministério da Justiça mudou. Hoje é um Ministério de Segurança Pública, Justiça. O ministro Moro foi convidado para combater corrupção, para garantir segurança pública e para fazer o enfrentamento ao crime organizado. Não foi dito a ele que ele iria cuidar de índios. Então, quando se constituiu o novo Ministério da Justiça, dois organismos que estavam lá ficaram perdidos, que foi a Comissão da Anistia e a Funai. E era isso que queríamos fazer a discussão. O índio tem que ser cuidado, amparado e protegido. Apesar que eu encontrei muita corrupção na Funai. Então assim, índio tem que ser cuidado como um todo, o anistiado tem que ser cuidado. Nós temos que ter muito cuidado com as pessoas que se sentiram com os direitos violados lá atrás na época do Regime Militar. Então esses dois organismos vieram para o nosso ministério. Então eles foram agasalhados e era o lugar certo. Mas aí, a briga no Congresso Nacional e alguns opositores “não, a Funai tem que voltar para o MJ”. O bem mais precioso de uma área indígena não é a terra, é o índio. E houve nos últimos anos uma política pública muito voltada só para a terra. Esquecemos da mulher indígena. Sabia que tem estupro em aldeia? Nós temos que cuidar dessa mulher indígena. Mas hoje nós temos terra, temos processo de homologação de terra. Estamos há trinta anos, brigou-se tanto e não se fez nada. Se essas áreas estivessem todas homologadas, muitos dos problemas teriam sido resolvidos. Mas a gente vem com essa outra proposta. O índio como um todo. A mulher, o idoso. Deixa-me te perguntar uma coisa. Você já viu um índio cego? 

Roseann – Não.

Damares – Você já viu um índio em cadeira de rodas? índio com síndrome de down? Você nunca se perguntou se todos eles nascem sem deficiência física ou mental? Esse questionamento eu tenho feito com o Brasil há vinte anos. Eu descobri, há vinte anos, que alguns povos do Brasil matam crianças com deficiência. Quando eu descobri, eu tinha duas reações, duas atitudes a tomar: me silenciar, como era o recomendado pelos antropólogos – não toque nesse assunto que é cultura – ou me levantar para salvar essas crianças. E eu optei por salvar essas crianças. Por quê? Parte de sacrifício de criança no Brasil, 90%, quem faz é a mãe. Você tem ideia do que é você impor a uma mãe a condição de carrasca de seu próprio filho? Porque olha, não vamos romantizar isso. Não existe nenhum romance, nenhum glamour, nenhuma delicadeza em enterrar uma criança viva, é assassinato! Imagine a mãe de uma criança de um ano que ela amamentou, que ela cuidou, que ela ama, e ela descobre com um ano que ele é surdo – porque a surdez não descobre quando nasce, é com oito meses, dez meses. Imagine essa mãe fazendo um buraco no meio da floresta, a criança brincando, achando que ela está brincando, e ela pegar o bebê olhar nos olhos dele e enterrar essa criança viva. Você acha que essa mãe é feliz? Não dá para imaginar. Nós temos que entender que não é uma índia, eu estou falando de uma mãe. Então a gente relativiza tudo, porque foi com um índio. Não, pera aí, é um ser humano. Nós temos uma estimativa, isso não é oficial, inclusive a gente tá criando agora uma notificação, que mais de 1500 crianças são assassinadas por ano nas aldeias do Brasil. Mas eles matam por que são cruéis? Não. É uma questão cultural. Mas a gente tem que começar a conversar com esses povos. Dá para avançar nesse item? Dá pra salvar essas crianças? Tá enterrando porque ele é surdo? Olha, tem um aparelhinho, olha, tem libras (linguagem brasileira de sinais), dá pra dialogar com os povos. 

Roseann – A senhora falou de outro tema polêmico, o trabalho que está sendo feito na Comissão da Anistia. Já houve uma série de cortes e vai ter mais. Qual é o entendimento nesse momento?

Damares – Resolver este problema de uma vez. Veja só, a Comissão de Anistia foi criada por lei para anistiar pessoas que num período do Brasil se sentiram com os direitos violados. Mas é um período lá atrás, que se a gente for contar a idade, muitos são idosos e muitos já morreram. Então, as pessoas que tiveram seus direitos violados, que abriram um requerimento e querem ser indenizadas, a maioria já morreu e o requerimento não foi analisado. Gente, eu não consigo imaginar vinte anos um requerimento em uma comissão e não deram resposta a essa pessoa. Isso sim é violação dos direitos humanos. Então, qual é o meu papel? Reunir um time forte. Chamei um time. Sabe quantos requerimentos eu ainda vou analisar? Mais de sete mil. 

Roseann – Vai haver um rejulgamento? 

Damares – Veja só, os que foram concedidos já foram concedidos. Eu não vou fazer revisão. Apenas um segmento que eu quero de revisão, os cabos da FAB. Você sabia que o maior valor que está empenhado para pagar é dos cabos da FAB? Em torno de 2.500 cabos se sentiram prejudicados com a mudanças dentro da FAB, de uma portaria e entraram dentro da comissão. Mais de R$ 7 bilhões para esses cabos da FAB. Pera aí, e eu estou questionando. Eles foram mesmo perseguidos ou tiveram seus direitos violados por um regime? Não. Era uma questão trabalhista. Que se resolva lá no Ministério do Trabalho. Você sabia que nós temos indenizações de mais de um milhão, dois milhões, para uma única pessoa? Então esse segmento eu quero rever. Os sete mil que estão lá eu vou olhar com lupa. Eu vou saber se merece ou não. Mas eu quero agilidade. Já está na hora de a Comissão de Anistia acabar. Ela tinha um prazo de validade. Ela tem que acabar. E o que eu vi na comissão da anistia? Esqueceram os requerimentos – ela foi constituída para isso – e começaram a publicar livros, publicar obras, até mesmo um museu a comissão estava construindo. Quer dizer, o objetivo da comissão foi totalmente esquecido e outras atividades foram feitas. E, olha, tá em auditoria. Nosso ministério está na auditoria das contas; a Polícia Federal tá envolvida; a CGU; e vou dizer uma coisa, tem muito dinheiro desviado da comissão de anistia.

Roseann – São muitos temas e a senhora sofre ameaça de morte desde muito antes de ser ministra. Para viver nessa agonia que não pode nem ter endereço fixo, o que realmente te dá a satisfação de dizer que vale a pena?

Damares – Me foi dada uma missão e eu preciso cumprir essa missão.  Eu sou nordestina. Não nasci no Nordeste não, mas me criei lá. Sabe? A nordestina que não desiste nunca.

- Publicidade -

De véspera, ministros do STF defendem prisão em 2ª instância

Tema será julgado na sessão do Supremo desta quinta-feira

Horóscopo de quinta-feira 17 de outubro de 2019

Confira a previsão do horóscopo para o dia...

Relatório final da CPI do Feminicídio recebe 106 recomendações

Na próxima semana os deputados da comissão vão se reunir para votar o parecer prévio do documento

Júlia Pereira e Amilcare Neto curtem lua de mel em lugares paradisíacos do continente Africano

Casal vivenciou momentos incríveis em destinos que nenhum dos dois conheciam

Bom Sucesso: Nana descobre que está grávida

Quem encontra o teste é Paloma (Grazi Massafera).

CET Rio realiza interdição do Túnel Rebouças

A companhia vai realizar manutenção no acesso

Onze20, Filipe Ret, 3030, PK e L7nnon se apresentam na Cidade das Artes

Viva Festival vai reunir os maiores nomes do reggae, rap, funk e eletrônico

Casa da Virgem Maria recebe visitantes durante o Natal na Turquia

Quem visitar Izmir, a "Pérola do Egeu", no oeste da Turquia, também poderá apreciar a culinária de Éfeso

Rio de Janeiro tem eventos em homenagem aos 90 anos de Fernanda Montenegro

No Teatro Ipanema, a peça “O Beijo no Asfalto”, de Nelson Rodrigues, será apresentada em forma de leitura dramatizada pelos alunos da CAL

Surtada: Tati Zaqui alcança 3º lugar no TOP 50 do Spotify

Música com Dadá Boladão e OIK vira hit em todo país

Gwyneth Paltrow brilha em Hollywood em evento que celebra conquistas femininas

Evento celebra as conquistas femininas da indústria cinematográfica e que também busca conscientizar o mercado

Eleições 2020: Eduardo Paes lidera pesquisa para prefeito

Marcelo Crivella e Freixo empataram na segunda colocação

III CaRIOca ProgFestival terá APOCALYPSE e Bacamarte

Festival de Rock Progressivo ainda contará com apresentação da banda Fleesh

Confira a provável escalação do Flamengo contra o Fortaleza

Mais Querido enfrenta a equipe cearense, nesta quarta-feira, às 20h, pelo Campeonato Brasileiro

Wesley Safadão leva Yhudy e sobrinhos para conhecer jogadores do Flamengo

Torcedor assumido do rubro-negro, Wesley usou as redes sociais para registrar o momento em que o filho e os sobrinhos encontraram alguns jogadores do time

Morre Lázaro Brandão, ex-presidente do Bradesco

Nascido em Itápolis, interior de São Paulo, Lázaro era economista e iniciou sua atividade profissional em 1942, na cidade de Marília

Shakira se junta a Pedro Capó e Camilo na nova versão de “Tutu”

Desde o seu lançamento em 9 de agosto, "Tutu" recebeu certificação de Ouro na Espanha, Argentina e Colômbia, "Platina + Ouro" no México e Peru e "Platina" nos Estados Unidos.

Foxbit lança XRP (Ripple) em sua plataforma

XRP é uma das criptomoedas mais negociadas no mundo

Teatro Municipal de Niterói Recebe A Banda Nave De Prata e Zé Renato

No Municipal de Niterói, a banda vai apresentar uma homenagem ao Clube da Esquina e Minas Gerais

Trabalho artesanal traz benefícios para saúde mental

Desenvolver a mente e equilibrar o emocional: O artesanato como terapia

Xiaomi ganha espaço entre os celulares mais buscados

Redmi Note 7 lidera ranking de smartphones mais buscados no Zoom pelo terceiro mês consecutivo

Três penteados para entrar no clima de Halloween

Confira algumas sugestões para você se inspirar

Confira as celebridades que estarão no Teleton 2019

Ação terá representantes de parceiros solidários como Band (José Luiz Datena), Record TV (Sabrina Sato), TV Cultura (Karyn Bravo, Mariana Kotscho e Roberta Manreza), Rede TV! (Luciana Gimenez) e TV Globo (Camila Queiroz e Klebber Toledo)

Conheça quatro funcionalidades do Windows 10 para pessoas com deficiência visual

Sistema permite que o usuário utilize comandos de voz para manusear o dispositivo e conta com recursos que auxiliam pessoas com baixa visão

Camila Queiroz e Klebber Toledo são liberados pela Globo para o SBT

Luciana Gimenez e Sabrina Sato também estarão no SBT

Bolsonaro assina MP que concede 13º pagamento do Bolsa Família

Na mesma solenidade, governo libera verbas para obras de Irmã Dulce

STF derruba liminar concedida por ministro a traficante Elias Maluco

O habeas corpus fora concedido em um processo que tramita na Justiça de São Gonçalo (RJ).

Confira a provável escalação do Botafogo contra o Vasco da Gama

Cícero vê clássico como oportunidade de dar resposta em reestreia de Valentim

Confira a provável escalação do Vasco da Gama contra o Botafogo

No treino desta terça, Luxemburgo deu coletes de titulares para Felipe Ferreira, Bruno Gomes e Gabriel Pec.

Sem Censura recebe a atriz Alexandra Richter

O programa Sem Censura ainda conta com a participação da aluna Juciara Belisário de Carvalho que está na faixa etária de 50 anos e não teve oportunidade de estudar na juventude

Festa literária das periferias do Rio dará destaque para o feminismo

A Flup será realizada pela primeira vez no Museu de Arte do Rio (MAR), na região portuária da cidade, localidade também conhecida como Pequena África

Vale a pena usar de novo: a ascensão dos brechós e a busca pela moda sustentável

Cada vez mais comum, o resgate de peças usadas e o consumo consciente tem se tornado tendência entre a geração millenium

Bad Medicine faz tributo a Bon Jovi no NewYorkCityCenter

O projeto Palco New York leva entretenimento gratuito às terças-feiras ao shopping.

Horóscopo de quarta-feira 16 de outubro de 2019

Confira a previsão do horóscopo para o dia 16 de outubro de 2019 e fique por dentro de...

Prestes a lançar música, Ananda fala sobre ativismo: ” Como bissexual, eu preciso falar sobre LGBTfobia

A cantora, do hit Quero que Tu Vá", discursa sobre sexualidade, feminismo e racismo

Após “chocar” Bruna Marquezine, Isabela Freitas fala sobre como superar um ex

A autora do best seller "Não se apega, não" diz que já salvou vidas através da leitura

Dicionário Árabe: Dos termos coloquiais às expressões populares

Inspirado no sucesso das primeiras edições de bolso, Grupo Editorial Edipro relança Dicionário Árabe em novo formato

BarraShopping inaugura decoração de Natal com espetáculo e árvore interativa com 70m de altura

Programação inclui apresentações gratuitas de música clássica aos domingos e decoração interna com atrações para os pequenos

Wesley Safadão e Thyane Dantas aproveitam feriado em família

A pausa na agenda de Wesley veio após um fim de semana intenso

Xuxa opina sobre concurso de beleza com crianças: “Isso não deveria fazer parte do mundo infantil. É traumatizante”

Xuxa ainda compartilha qual lição teve após trabalhar durante anos com público infantil.

WBFF Brasil 2019 supera 1ª edição e revela novos modelos fitness

Competição fitness internacional contou com grande público e nova categoria de Divas

Peça “Quem sabe meu nome?” será apresentada no Ateliê Bonifácio

A peça retrata a história de um homem que se diz negro e a sociedade o impõe Pardo.

Quadrilha desviava cartões de crédito remetidos pelos Correios no Rio

Um deles é funcionário da Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos e outro é um militar da Marinha brasileira

Denis Baum lança webclipe com participação especial de Vanessa Jackson

Versão de ‘Ao Sentir o Amor’ traz homenagem a cantora Deise, do Fat Family, falecida no início deste ano

Outras Notícias

- Publicidade -

De véspera, ministros do STF defendem prisão em 2ª instância

Tema será julgado na sessão do Supremo desta quinta-feira

Horóscopo de quinta-feira 17 de outubro de 2019

Confira a previsão do horóscopo para o dia 17 de outubro de 2019 e fique por dentro de tudo o que o seu...

Relatório final da CPI do Feminicídio recebe 106 recomendações

Na próxima semana os deputados da comissão vão se reunir para votar o parecer prévio do documento