sexta-feira, fevereiro 21, 2020
27.4 C
Rio de Janeiro
Início Direitos Humanos A cada 19 horas, uma pessoa é assassinada no Brasil por causa de sua orientação sexual ou identidade de...
- Publicidade -

A cada 19 horas, uma pessoa é assassinada no Brasil por causa de sua orientação sexual ou identidade de gênero

Mais Lidas

Após sair do BBB, Manu Gavassi anuncia turnê de shows pelo Brasil

A turnê precisou ser interrompida por conta do confinamento

Corpo de Bombeiros libera Sambódromo para desfiles no Rio de Janeiro

Neste ano, a Passarela do Samba recebe desfiles de 43 agremiações
- Advertisement -

Representantes da comunidade LGBTI denunciaram, nesta semana, em um debate na Comissão de Direitos Humanos (CDH) que, a cada 19 horas, uma pessoa é assassinada no Brasil por causa de sua orientação sexual ou identidade de gênero. A reunião ocorreu em celebração do Dia Internacional de Enfrentamento à LGBTIfobia, lembrado nesta sexta-feira, 17 de maio.

Tathiane de Araújo, presidente da Rede Trans Brasil, entidade nacional que representa pessoas travestis e transexuais do Brasil, ressalta que a maior parte dos assassinatos ocorrem em via pública e no período noturno.

- Publicidade -

“De todos os casos catalogados em 2018, das mortes, 89 dessas foram em via pública. Todas, em maioria, à noite, em um espaço em que essa pessoa tenta sobreviver e é assassinada, muitas das vezes, de forma brutal, cruel”, relata.

Amanda, moradora de Colombo, região metropolitana de Curitiba, de 24 anos, é homossexual, e faz parte da estatística de pessoas LGBTI que já sofreram com o preconceito por conta de sua orientação sexual.

“Eu fui mandada embora logo depois que a minha esposa foi me encontrar no trabalho e eu a cumprimentei, na frente do meu ambiente de trabalho, com um selinho. Logo depois que eu retornei do meu horário de pausa, eu fui chamada pelo RH para ser mandada embora”, conta.

Já a história de Camila Oliveira, de 48 anos, moradora de Ipatinga, Minas Gerais, envolveu violência física pelo fato de ela ser transexual.

“Eu estava indo comemorar o meu aniversário com os meus amigos do trabalho onde eu trabalhava e, simplesmente, fui abordada por dois rapazes num bicicleta e eles, por transfobia, começaram a me agredir do nada. Eu tentei correr, eles quebraram meu braço, meu dedo e o meu nariz”, disse.

No debate, que ocorreu na Comissão de Direitos Humanos, o presidente da Aliança LGBTI+, Toni Reis, deu os dados da Pesquisa Nacional sobre o Ambiente Educacional, relacionados às experiências de estudantes LGBTI+. Segundo ele, 36% das pessoas são agredidas fisicamente e 60% se sentem inseguros de ir à escola. Outro dado alarmante é que esse grupo é agredido no Brasil a cada duas horas.

“É neste sentido que nós estamos reivindicando a criminalização da LGBTIfobia e também que as escolas discutam o respeito. Todas as pessoas devem ser respeitadas: mulheres, negros e negras, lésbicas, gays, bissexuais e pessoas trans devem ser respeitadas. É isso que nós queremos: o respeito”, enfatiza.

No evento, o senador Styvenson Valentim assinou a carta da diversidade, que assegura o diálogo entre os parlamentares e as causas LGBTI. Já os convidados disseram esperar que o Supremo Tribunal Federal (STF) enquadre a discriminação por orientação sexual e identidade de gênero como crime. O julgamento iniciado em 13 de fevereiro deve ser retomado no dia 23 de maio. Quatro ministros, até agora, votaram a favor da criminalização da LBTIfobia

- Publicidade -

Assine nossa Newsletter

Receba as priincipais notícias do Brasil e do Mundo em seu email

Falando Nisso...
Conteúdo Relacionado

- Publicidade -
-- Conteúdo Recomendado -
- Publicidade -

Mais Notícias
Conteúdo Relacionado

“Uma Noite Não é Nada”, com Paulo Betti e Luiza Braga, estreia no Canal Brasil

O drama do cineasta francês Alain Fresnot é ambientado na São Paulo de meados da década de 1980

Projeto prorroga cessão do Teatro Casa Grande por mais 20 anos

O espaço fica na Avenida Afrânio de Melo Franco, 290

Horóscopo de sexta-feira 21 de fevereiro de 2020

Confira a previsão dos astros para você

Projeto prorroga cessão do Teatro Casa Grande por mais 20 anos

O espaço fica na Avenida Afrânio de Melo Franco, 290

Horóscopo de sexta-feira 21 de fevereiro de 2020

Confira a previsão dos astros para você

Guarda Municipal atua em apoio aos desfiles das escolas de samba

GM também vai atuar em diversos pontos de folia da cidade

Lauana Prado será a madrinha do “Bloco Villa Country Pinga Ni Mim”

Bloco desfila no Ibirapuera, dia 24 de fevereiro, a partir das 13h

Capes adota modelo inédito de concessão de bolsas

Intuito é corrigir distorções na distribuição do benefício; implementação será feita de forma gradativa

MetrôRio passa a aceitar cartões de débito nos pagamentos por aproximação

Consumidores já podem usar seus cartões de crédito e débito Visa e agora também Mastercard, além de dispositivos com NFC, direto nas catracas de todas as estações

Carnaval começa com chuva forte no Rio de Janeiro

No domingo, a previsão é de céu nublado com chuva fraca a moderada a qualquer hora do dia.

Mulheres garis montam pela primeira vez bloco de Carnaval

A agremiação sairá hoje, quinta-feira, às 16h, no Parque Madureira, Zona Norte do Rio.
- Publicidade -