- Publicidade -

Olavo de Carvalho, o controvertido ideólogo do governo Bolsonaro

O polêmico ideólogo tem muitos "discípulos" e um milhão de seguidores nas redes sociais

- Publicidade -

Ele consegue nomear ministros e desestabiliza políticos e militares no Twitter: Olavo de Carvalho, um escritor ácido, exerce a partir de seu exílio nos Estados Unidos uma grande influência sobre o governo de Jair Bolsonaro, a ponto de provocar uma crise com os militares.

O homem a quem muitos chamam de “guru” do presidente acaba de receber de Bolsonaro o mais alto grau da Ordem de Rio Branco, condecoração dada pelo governo para “distinguir serviços meritórios e virtudes cívicas, estimular a prática de ações e feitos dignos de honrosa menção”.

- Publicidade -

Essa honra, que demonstra a afeição inabalável do presidente, provocou críticas. Nas redes sociais, Olavo de Carvalho repreende e insulta os inimigos – supostos ou reais – de Jair Bolsonaro, com um discurso de ódio desinibido.

“Qualquer filho da puta que, dentro do governo, seja desleal ao presidente Bolosonaro é desleal à nação brasileira”, tuitou recentemente o escritor de 72 anos, outrora astrólogo, e que vive desde 2005 em Richmond, Virginia.

- Publicidade -

“Esse prefeito de Nova York é um fantoche dos sandinistas, um lixo em toda a linha. O lugar desse vagabundo é na cadeia”, tuitou recentemente depois que Bill de Blasio, o prefeito democrata da Grande Maçã, conduziu uma campanha contra a ida de Bolsonaro à cidade para receber um prêmio.

Feroz anticomunista, Olavo de Carvalho dispõe de aliados nos círculos de poder em Brasília.

- Publicidade -

Ele fez Jair Bolsonaro nomear em janeiro dois ministros vistos como seus pupilos: o ministro das Relações Exteriores Ernesto Araújo, que trava uma cruzada contra o “marxismo cultural”, e o da Educação Ricardo Vélez, ex-esquerdista convertido ao bolsonarismo e afastado recentemente do cargo.

O polêmico ideólogo tem muitos “discípulos” e um milhão de seguidores nas redes sociais, cuja utilização chega ao limite do vício: às vezes, 12 tuites por hora.

– “Caos” –

Nos últimos 10 anos, ele tem dado palestras online pagas, misturando filosofia e política. Foge da imprensa (à qual chama de “merda”) como o diabo foge da cruz e não respondeu ao pedido de entrevista da AFP.

“Ele existe por meio da provocação e do insulto. Essa é a sua estratégia: provocar o maior número possível de conflitos, inclusive dentro do governo”, diz Maud Chirio, historiador da Universidade Paris-Est Marne-la-Vallée. 

“Ele aposta no caos, para depois regenerar uma sociedade que ele considera decadente”.

Steve Bannon, símbolo da ulta-direita conservadora americana de quem é próximo, viu nele “um dos maiores intelectuais vivos do mundo”.

O deputado Eduardo Bolsonaro, influente filho de Jair, compartilha com Olavo de Carvalho seus valores. E o gosto pelas armas. 

Últimos alvos do “guru”: altos oficiais, muitos deles no governo.

“Se tudo continuar como está, já está mal. Não precisa mudar nada para ficar mal. É só continuar assim. Mais seis meses, acabou”, previu Olavo em março, em uma alusão aos generais que, segundo ele, estão prontos para trair Bolsonaro.

Com o apoio de outro filho de Bolsonaro, Carlos, vereador do Rio de Janeiro, ele acaba de lançar uma violenta campanha contra o general da reserva Carlos Alberto dos Santos Cruz, ministro da Secretaria de Governo, que teve distorcida uma declaração sobre mudanças para um controle da internet.

“Controlar a internet, Santos Cruz? Controla sua boca, seu merda”, tuitou Olavo no último domingo.

Antes disso, Olavo metralhou conscienciosamente o vice-presidente Hamilton Mourão, general da reserva que tem demonstrado autonomia de pensamento e uma moderação inesperada dentro do governo.

O ideólogo o chamou de “idiota”, “charlatão desprezível” e “vergonha das Forças Armadas e do Brasil”. 

Fleumático, Mourão o aconselhou a “se limitar à função que desempenha bem, que é a de astrólogo”.

– “Passou do ponto” –

Mas, para a maioria dos generais que cercam Bolsonaro, o copo está cheio.

Olavo de Carvalho “passou do ponto”, considerou na terça-feira o general Eduardo Villas Bôas, ex-comandante das Forças Armadas e atual assessor do Palácio do Planalto.

“Praticamente todas as crises que nós vivemos desde que o presidente Bolsonaro assumiu têm a participação direta ou indireta do Olavo de Carvalho, que não contribui” em nada, criticou o militar aos jornalistas.

Bolsonaro acabou por intervir, pedindo no Twitter “página virada por ambas as partes”.

Declarações muito ambíguas, já que disse “admirar” os militares, enquanto incitou no mesmo tuite “o ícone” Olavo, cujo trabalho “contribuiu muito para (sua) chegada ao poder”.

Para Maud Chirio, Jair Bolsonaro “se revela uma figura fraca, com pouca liderança”. 

“Ele não deverá bater o punho na mesa e reimpor sua autoridade”, observou

- Publicidade -

Falando Nisso...
Conteúdo Relacionado

Mais Notícias
Conteúdo recomendado para você

Agora é lei: Rio terá estatística sobre homicídios e feminicídios de jovens

O texto, de autoria da deputada Zeidan Lula (PT), obriga a tabulação de todos os dados classificados como homicídio e feminicídio contra a vítima jovem

Rio poderá ter política municipal de cuidados paliativos

O projeto prevê que os cuidados paliativos devem ser ofertados o mais precocemente possível no curso de qualquer doença potencialmente fatal

Agora é lei: radares móveis de velocidade têm que ser visíveis

A lei ainda determina que o Detran-RJ deve publicar anualmente uma lista com a receita arrecadada com a cobrança de multas

Linha Amarela: Lamsa limpa 7km de sistema de drenagem de seus viadutos

Concessionária também fará conservação das passarelas e varrição das pistas

UOL lança série documental: “PCC – Primeiro Cartel da Capital”

Com direção do cineasta João Wainer e conteúdo desenvolvido pela MOV, produtora de vídeos do UOL, série retrata a trajetória de uma das maiores organizações criminosas do Brasil

Wander Wildner e Gustavo Kaly fazem show intimista no Rio

Artistas se apresentam na Audio Rebel

Vasco da Gama corre risco de rebaixamento por conta do Caso Clayton; Fluminense observa

Presidente do clube, Alexandre Campello, nega irregularidade: 'O Vasco não é a Portuguesa'

Lava Jato: Polícia Federal faz operação no Rio contra lavagem de dinheiro

A operação é chamada de Patron, ou seja, “patrão” em português

‘Status Atual’ estreia no Teatro dos Grandes Atores, no Barra Square

Ator Leon Borghes encena peça musical teen

Sparkling Festival: evento de vinhos acontece no Rio e em São Paulo

Serão cerca de 30 espaços de vinícolas brasileiras e importadoras, mais ou menos 350 rótulos, muitas boas opções de gastronomia e diversas atrações culturais.

Vasco da Gama sofre gol no fim e cede empate para o Goiás, veja os gols

Em São Januário, equipe carioca saiu na frente com gol de Guarín, e Esmeraldino marcou no fim com Oswaldo Henríquez, contra: 1 a 1

Região sudeste tem a gasolina mais cara do país

Conforme levantamento realizado pela ValeCard em cerca de 20 mil estabelecimentos em todo o território nacional, o combustível mais caro é encontrado no Rio de Janeiro e o mais barato, em São Paulo

Importação de cigarro eletrônico pode ser considerada contrabando

Projeto de lei em tramitação na Câmara dos Deputados prevê pena de dois a cinco anos de reclusão para quem cometer a infração

China disponibilizará US$ 100 bilhões para governo brasileiro

Foco dos investimentos é a área da infraestrutura

Alerj se reúne com PGE em busca de solução para concursados da SEAP

Na ocasião, Rômulo Carvalho, da comissão dos concursados de 2006, disse que os candidatos já passaram por todos os requisitos