25.4 C
Rio de Janeiro
quarta-feira, 22 de maio de 2019 8:2130
- Publicidade -

Governo extingue funções de confiança e limita gratificações

- Publicidade -

O governo extinguiu hoje (13) cargos em comissão e funções de confianças, além de limitar a ocupação, a concessão ou a utilização de gratificações. A medida atinge 21 mil cargos, funções e gratificações em diversos níveis do Poder Executivo Federal. De acordo com a publicação, a economia anual com as extinções será de mais de R$ 194 milhões.

Dos cargos em comissão e funções de confiança, 5.100 estão extintos a partir de hoje. Mais 12.408 serão extintos em 31 de julho. No caso das gratificações, 1.487 estão vedadas a partir de hoje, 2.001 não poderão ser concedidas a partir de 30 de abril e quatro a partir de 31 de julho.

- Advertisement -

Aquelas pessoas que ocupam os cargos em comissão e as funções de confiança que deixam de existir ou os cargos que dependem das gratificações estão automaticamente exoneradas ou dispensadas, nas datas correspondentes.

O decreto, publicado no Diário Oficial da União, traz o detalhamento de todos os cargos, funções e gratificações atingidas

Últimas Notícias

Vasco da Gama terá de pagar R$ 400 mil ao Santos pelo empréstimo do atacante André

A determinação judicial é de que o clube de São Januário pague R$ 400.038,39, acrescida de correção monetária e juros de 1% ao mês.

Só clubes de primeira divisão poderão jogar torneios da Conmebol em 2020

A Confederação Sul-Americana divulgou os novos requisitos que os clubes admitidos na Copa Libertadores e na Sul-Americana

Diretor do Flamengo polemiza: “Mickey todo certinho, não foi a torcida”

Dirigente pois em xeque a capacidade intelectual da torcida rubro-negra

Marcos Paulo comemora boa sequência no Fluminense

Jovem atacante tem sido uma das opções do técnico Fernando Diniz

Governo publica decreto sobre armas; civis não podem adquirir fuzis

O novo decreto (nº 9.797, de 21 de maio 2019) está publicado no Diário Oficial da União desta quarta-feira (22).

Vasco da Gama segue analisando contratação de Giovani dos Santos

Luxemburgo e Campello analisam a contratação que além de cara é considerada de risco