in

Felizes Mortos entra em cartaz no Rio de Janeiro

Em cena, Joana Kannenberg e Júlia Portes vivem duas mulheres que se reencontram em um cemitério para pintar o túmulo de uma senhora
Em cena, Joana Kannenberg e Júlia Portes vivem duas mulheres que se reencontram em um cemitério para pintar o túmulo de uma senhora

Peça aborda o conflito entre o conservadorismo e a quebra de padrões, e como o peso da culpa e o julgamento do outro podem interferir em nossas decisões

Duas jovens mulheres se encontram em um cemitério para realizar o último pedido de uma velha senhora: pintar seu túmulo com artes cheias de cor e vida. Esse é o ponto de partida de “Felizes Mortos”, espetáculo que estreia em 8 de março no Reduto, em Botafogo, para curta temporada de quatro semanas, com apresentações sextas e sábados, às 20h, até 30 de março.

Dirigida por Lucas Lacerda — que recentemente esteve como ator nos espetáculos “A Mentira”, “Os Javalis” e “Nem Mesmo Todo Oceano” — a montagem busca refletir sobre os dilemas internos do ser humano proporcionados pelo espectro da morte e da culpa. Em cena, Joana Kannenberg e Júlia Portes vivem, respectivamente, Francini e Marta, protagonistas de uma história marcada pelo abandono e pelo rancor. Ainda crianças, elas tornaram-se amigas e, ao longo dos anos, partilharam descobertas e experiências da juventude. Elas não se veem desde que Francini mudou-se para a cidade grande em busca em uma nova vida. O reencontro no funeral de sua avó será marcado por um confronto ético e moral, cheio de ressentimento, intolerância e expectativa.

A dramaturgia foi construída a oito mãos pelo diretor Lucas Lacerda, pelas atrizes Joana Kannenberg e Júlia Portes e pela roteirista Denise Portes, mãe de Júlia, durante o processo de criação da montagem, livremente inspirada em uma história real. Há dois anos, Denise decidiu pintar o túmulo da mãe, falecida em 2016, num encontro familiar repleto de risos, cores e lembranças para celebrar a vida. “Por que uma mulher tão criativa como a minha avó ficaria enterrada num lugar todo cinza”, questiona Júlia Portes. “Na nossa sociedade, a morte está relacionada ao luto, ao choro e à tristeza. Tanto na peça quanto na vida real, a ideia é romper com as estruturas tradicionais e celebrar com alegria a passagem de uma pessoa muito querida e tudo o que ela nos deixou”, compara.

Felizes Mortos” propõe um olhar reflexivo sobre nossos comportamentos face à morte e como a construção social de uma pessoa por meio do viés religioso define os parâmetros éticos de muitos brasileiros. “Buscamos analisar o papel que a morte ocupa em nossa sociedade e como o fim é considerado moralmente prematuro quando se trata de uma decisão”, explica do diretor Lucas Lacerda. “Carregamos culpas e feridas que nos afastam de nossa essência. Por meio do contato com a morte e do conflito as duas personagens, elas refletem sobre suas próprias escolhas e repensam sobre como querem levar a vida dali em diante”, completa o diretor.                         

A peça questiona também as relações familiares e laços sanguíneos em tempos de polarização ideológica em que influências externas da sociedade afetam nossos encontros, escolhas e comportamentos que nos distanciam de nosso próprio desejo. Quais são os entraves que a sociedade cria dentro do próprio corpo e sobre a percepção de nossa sexualidade? Essas são algumas das questões debatidas na dramaturgia de “Felizes Mortos”. “Muitos assuntos nos atravessam. Eu mesma vim do interior do Rio Grande do Sul e deixei minha família para trás. Sempre existe um questionamento do que eu poderia estar perdendo estando aqui, atrás do que eu vim fazer. Quando as coisas ganham ou perdem sentido?”, questiona Joana Kannenberg.  “O Olhar para a morte faz a gente rever nossa vida e refletir sobre tudo isso”, acredita.

A encenação valoriza a força do texto e o trabalho das atrizes como principais motores da montagem. O cenário não realista de José Dias cria códigos que remetem a elementos essenciais da peça, que ao longo da trama ganham novos significados. A trilha sonora original de Natália Oliveira, composta especialmente para o espetáculo, marca e representa as passagens de tempo de “Felizes Mortos”, assim como a luz de Gabriel Prieto fortalece a dramaturgia e insere o público dentro da cena.

“FELIZES MORTOS”

Temporada: de 8 a 30 de março – sexta e sábado, às 20h
Local: O Reduto – Conde de Irajá 98, Botafogo.
Duração: 70 min. Capacidade: 40 lugares. Recomendação etária: 14 anos
Ingresso: R$ 20 (meia) e R$ 40 (inteira)

FICHA TÉCNICA:

Direção: Lucas Lacerda
Elenco: Joana Kannenberg e Júlia Portes

Argumento: Denise Portes
Dramaturgia: Denise Portes, Joana Kannenberg, Júlia Portes e Lucas Lacerda 
Direção de arte e cenografia: José Dias
Produção executiva e preparação corpoal: Brisa Rodrigues
Figurino: Nathalia Gastim
Trilha sonora original: Natália Oliveira
Desenho de luz: Gabriel Prieto
Técnico de iluminação: Hebert Said
Operador de som: Wanessa Malvar
Cenotécnico: José Galdino
Programação visual: Jéssica Barbosa
Mídias sociais: Andressa Lee
Fotos: Priscila Jammal
Pintura fotográfica: Marina Papi e Kubra Manela
Provocadoras: Georgette Fadel e Denise Stutz

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Loading…

0

Comentários

0 Comentários

Resumo da novela Jesus de 04 a 08 de março de 2019

Gesaffelstein lança "Blast Off" com participação de Pharrell Williams

Gesaffelstein lança “Blast Off” com participação de Pharrell Williams