O futuro ministro da Economia, Paulo Guedes, durante reunião com a Comissão Mista de Orçamento, na Câmara dos Deputados.Foto Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil
O futuro ministro da Economia, Paulo Guedes, durante reunião com a Comissão Mista de Orçamento, na Câmara dos Deputados.Foto Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

O futuro ministro Paulo Guedes (Economia) anunciou oficialmente os três secretários-gerais que comandarão Fazenda, Planejamento e Indústria e Comércio Exterior, hoje ministérios apartados e que serão reunidos numa única pasta sob seu comando.

O secretário-geral da Fazenda será Waldery Rodrigues Júnior. Engenheiro formado pelo ITA, era coordenador-geral da Secretaria de Política Econômica do Ministério da Fazenda. Terá como adjunto o atual ministro do Planejamento, Esteves Colnago.

- Publicidade -

O Planejamento muda de nome no governo Jair Bolsonaro e se chamará Secretaria-Geral de Desburocratização, Gestão e Governo Digital. Ela será comandada por Paulo Uebel, que foi secretário de gestão na Prefeitura de João Doria (PSDB), em São Paulo.

Mestre em administração pública pela Universidade Columbia, Uebel participou do Instituto Millenium, de difusão do pensamento econômico liberal, fundado por Guedes.

Uebel terá como adjunto o atual secretário-executivo do Planejamento, Gleisson Cardoso Rubin.

O atual Mdic (Ministério da Indústria e Comércio Exterior) se transformará na Secretaria-Geral de Produtividade e Competitividade, a ser comandada por Carlos da Costa. Ex-diretor do BNDES, Costa é mestre pela Universidade da Califórnia.

Guedes também confirmou que Marcelo Guaranys, ex-presidente da Anac e assessor especial da Casa Civil para infraestrutura, como seu número 2.

Com o comunicado oficial, feito neste sábado (8), Guedes praticamente fecha o desenho de seu superministério. O empresário Salim Mattar já havia sido confirmado como secretário-geral de Privatizações. Em Comércio Exterior e Assuntos Internacionais, o nome confirmado é o de Marcos Troyjo.

Na próxima semana, Guedes definirá se vai apartar a Previdência da Secretaria-Geral de Receita e Previdência, comandada por Marcos Cintra.