Caco Barcellos visita o Hospital Estadual Adão Pereira Nunes na Baixada Fluminense
Caco Barcellos visita o Hospital Estadual Adão Pereira Nunes na Baixada Fluminense

Dono de um dos cenários mais bonitos do Brasil e chamado por muitos de Cidade Maravilhosa, o município do Rio de Janeiro registra altos índices de violência todos os dias. Para acompanhar o cotidiano dos moradores que vivem em meio a essa contradição e precisam lidar com os efeitos da violência, o ‘Profissão Repórter’ desta quarta-feira, dia 5, envia os repórteres Caco Barcellos, Guilherme Belarmino, Erik Von Poser e Nathália Tavolieri até a cidade.

Na Baixada Fluminense, Caco Barcellos visita o Hospital Estadual Adão Pereira Nunes para acompanhar, durante três dias, o plantão do cirurgião Fernando Pedrosa. O hospital é o lugar que mais recebe baleados no Brasil. Somente de janeiro a outubro deste ano, 595 vítimas feridas a bala foram socorridas no local.

- Publicidade -

Em Copacabana, Guilherme Belarmino mostra algumas consequências de uma recente operação policial na comunidade Pavão-Pavãozinho. É desta forma que ele conhece histórias como a de uma idosa que perdeu sua sessão de hemodiálise por não conseguir sair de casa durante a ação, e a de outro morador do bairro, que mostra as marcas das balas que atravessaram as janelas, portas e paredes de seu apartamento, por exemplo.

Já na zona oeste do Rio, os repórteres Erik Von Poser e Nathália Tavolieri mostram como a violência impacta o cotidiano dos moradores da Vila Kennedy, bairro que foi escolhido como laboratório da intervenção federal que entrou em vigor este ano e vai até o dia 31 de dezembro. Além da falta de segurança e verba para a assistência básica à população do local, a área da saúde também sofre. No período em que a equipe do ‘Profissão Repórter’ esteve na região, os médicos da única unidade de atendimento estavam em greve por não receberem seus salários há dois meses

O ‘Profissão Repórter’ vai ao ar às quartas-feiras, depois do ‘Futebol 2018’.