24.4 C
Rio de Janeiro
terça-feira, 21 de maio de 2019 11:4403
- Publicidade -

‘O Eterno Retorno’ não evita elitismo na reflexão sobre o papel do teatro

- Publicidade -

Participar de uma novela, fazer a turnê patrocinada de um espetáculo de sucesso ou dedicar-se a um sonhado monólogo. A crise de um artista em conflito com suas escolhas profissionais é o ponto de partida de “O Eterno Retorno”, com dramaturgia de Samir Yazbek e direção de Sérgio Ferrara.

Para além da concretude das decisões a serem tomadas, o espetáculo abre-se para a reflexão sobre o papel da arte na sociedade contemporânea. As personagens parecem buscar uma construção arquetípica –ainda que, por vezes, resvalem em estereótipos– sendo representações de pensamentos sobre o teatro.

- Advertisement -

Neste sentido, cabe pensar sobre o modelo de artista em crise representado pelo protagonista. Em uma possível tentativa de universalização a fim de localizar os questionamentos como quase exclusivamente subjetivos, o que se estabelece é um recorte de certo modo burguês e inevitavelmente elitista.

O espetáculo movimenta-se a partir do choque de visões de mundo daqueles que orbitam este ator. Sua mãe representa, à luz da atual sociedade brasileira, um rasteiro senso comum cujo imaginário considera a arte um mero hobby. Seu diretor, um saudosista dos tempos do Teatro Brasileiro de Comédia com uma visão eurocêntrica sobre o teatro. A figura do produtor –que irrita profundamente o protagonista– é um profissional com pé no chão; que compreende o fazer artístico como labuta diária.

No confronto com sua namorada evidencia-se o caráter existencial da crise do ator. Enquanto ela crê no teatro como ferramenta de transformação, ele afirma estar na inutilidade dessa arte sua grande potência.

Ainda que falte certa autocrítica na construção do protagonista, o que se desenha é, então, a angústia do indivíduo enquanto artista no mundo. As alusões e referências presentes na encenação caminham nesse sentido.

O monólogo que seria a grande realização da carreira desse ator versa sobre a vida e a obra de Charles Baudelaire, precursor do simbolismo –movimento artístico com o qual o imaginário do espetáculo parece dialogar.

Os três planos da encenação são clara referência a “Vestido de Noiva”, de Nelson Rodrigues. Ainda que por vezes sobrepostos, realidade, imaginação e memória estão na dramaturgia de Yazbek –e são sutilmente indicados na cenografia de Telumi Hellen.

A encenação do texto rodriguiano é um marco da modernização do teatro brasileiro. Dessa maneira, mesmo não fazendo uso de grandes inovações estéticas, “O Eterno Retorno” parece, de algum modo, fazer menção à agonia do artista frente ao novo.

A iluminação de Aline Santini se aproveita bem do caráter metateatral da encenação para construir recortes de grande beleza. A interpretação de Luciano Gatti, compreendendo o contraditório do protagonista, merece destaque. O elenco é consistente, ainda que o registro de Gustavo Haddad destoe um pouco dos demais. A direção de Ferrara resulta em uma obra bem acabada, mas aberta para a reflexão do espectador.

O ETERNO RETORNO
Avaliação: bom
Quando Sex., às 18h e às 21h, sáb., às 21h, dom., às 18h. Até 2/12
Onde Sesc 24 de Maio, r. 24 de Maio, 109
Preço R$ 12 a R$ 40
Classificação 14 anos

Últimas Notícias

Três milhões de pessoas abandonaram a Venezuela desde 2015

Segundo o ACNUR, um total de 3,7 milhões de venezuelanos estão registrados no exterior, 700 mil deles emigraram antes de 2015.

Cristina Kirchner encara julgamento por corrupção em meio à campanha eleitoral

O caso diz respeito ao suposto favorecimento ao empresário Lázaro Báez, ligado à família Kirchner, na concessão de licitações de obras públicas.

Anistia Internacional denuncia que governo Bolsonaro ameaça os Direitos Humanos

O informe "Brasil para o mundo" expressa as preocupações da entidade após a chegada ao poder, em janeiro, de Bolsonaro

Prefeitura oferece mais vagas em cursos gratuitos na área da construção civil

Os interessados podem se candidatar em um dos Centros Municipais de Trabalho e Emprego, pelo site www.seconci-rio.com.br ou pelo telefone 2101-2565.

Kaká faz brincadeira e insinua que Corinthians é time pequeno

Ex-Jogador brincou sobre não ter jogado no Corinthians: ‘Escolhi só jogar em time grande’

Botafogo e DAZN promovem transmissão do jogo da Sul-Americana em telão

Jogo será transmitido em telão no Ginásio Oscar Zelaya, em General Severiano

Osmar Loss, ex-Corinthians, é o novo técnico do Vitória

O novo treinador já inicia os trabalhos à tarde.

Vasco da Gama: Luxa define nomes para deixar o clube e Ricardo Rocha ganha força

Para abrir espaço para a chegada das novas peças, o clube vai dispensar, ou negociar alguns jogadores que não serão aproveitados

Xavi encerra carreira em derrota do Al Sadd no Irã

O ex-capitão do Barcelona, que tem 39 anos, recebeu várias homenagens nesta segunda-feira por sua última partida.