Janaina Paschoal
Janaina Paschoal

Em meio a duras críticas ao programa Mais Médicos, Janaína Paschoal, deputada estadual eleita por São Paulo mais votada da história, disse neste sábado (24) que mandar de volta os médicos cubanos é reverenciar Fidel Castro, “sua família e seus comparsas.”

Palestrante no 4º Congresso Nacional do MBL (Movimento Brasil Livre), Paschoal disse que sugeriu ao futuro presidente, Jair Bolsonaro, em encontro na semana passada, que “mandasse” alguém da confiança dele ao Ministério da Saúde para dar asilo para os médicos cubanos e contratá-los diretamente.

- Publicidade -

Seria uma forma de mostrar, segundo ela, que não tem nada “de racismo ou protecionismo” da parte dos críticos do programa.

“A questão é outra: a gente não quer pagar os altos impostos que pagamos para financiar ditadura”, disse ela.

Segundo ela, já há muito tempo vinha falando que o programa era, na verdade, “tráfico de seres humanos”.

“O Congresso Nacional aprovou a lei que tratava do tráfico de seres humanos muito perto da época em que foi fechado o contrato dos Mais Médicos”, disse ela, sugerindo relação entre uma coisa e outra.

Bastante aplaudida pela plateia, Paschoal disse ainda que é preciso lembrar que, quando Fidel Castro morreu, os pesares foram dados não só pelos ex-presidentes Lula e Dilma Rousseff, mas também por Fernando Henrique Cardoso.

“É por isso que nossa luta é tão maior do que o PT”, disse ela.

Janaína ironizou acusações de que o futuro ministro da Justiça, Sérgio Moro, atuou de forma premeditada para compor o governo.

Ela responsabilizou o “aparelhamento” pelo fato desse tipo de tese prosperar, pois, segundo ela, não era claro nem que Bolsonaro se elegeria.

“Os caras acusavam Moro até ontem de ser do PSDB”, disse.

Em referência a acusações de que o novo ministro da Educação quer reescrever a história, Janaína disse que ninguém olha o outro lado. Reconheceu, no entanto, o “risco de uma ideologia de direita”.

“Não podemos deixar de dizer a verdade. As pessoas que justificaram – chamem como quiser, o movimento, o golpe, a revolução de 1964 – como [sendo feita por] pacifistas que queriam democracia….não eram. Eu entendo que houve ditadura porque havia previsão de uma eleição em 1965 que não ocorreu”, afirmou.

“Porém, dizer que todo mundo que estava do outro lado queria democracia é mentira”, disse.

Janaína disse ainda que o PT impôs suas convicções.

“Porque professor nenhum é promovido nessa terra se não rezar a cartilha deles, aluno nenhum consegue vaga em mestrado ou doutorado, não se passa em concurso”, disse.

Para a futura deputada, não há liberdade de fala, de pensamento e de escrita no país.

Paschoal falou para uma plateia cheia, com predominância de jovens. Segundo a organização, sentadas, cabem 1.100 pessoas.