Confira as celebridades que estarão no Teleton 2019

Ação terá representantes de parceiros solidários como Band (José Luiz Datena), Record TV (Sabrina Sato), TV Cultura (Karyn Bravo, Mariana Kotscho e Roberta Manreza), Rede TV! (Luciana Gimenez) e TV Globo (Camila Queiroz e Klebber Toledo)

Última temporada de Killjoys chega ao SYFY

Killjoys conta a história de caçadores de recompensas e aventuras interplanetárias com muita ação, romance e drama.

Xuxa opina sobre concurso de beleza com crianças: “Isso não deveria fazer parte do mundo infantil. É traumatizante”

Xuxa ainda compartilha qual lição teve após trabalhar durante anos com público infantil.
- Publicidade -

Djavan: a clareza da música pop para iluminar tempos sombrios

Há quarenta e tantos anos Djavan faz sambas. Há 16, orquídeas. Os sambas o público os conhece e admira desde sua estreia como compositor, com “Fato consumado”, em 1975. As orquídeas são uma paixão privada que ele trata com esmero de compositor no sítio, incrustado na Mata Atlântica, que mantém na região de Petrópolis e que, entre outras plantas nativas, conta com um imenso jardim – “Profissional!”, como faz questão de frisar – de orquídeas, com 850 plantas, de 360 espécies.

“Orquídea” é o título de um samba de “Vesúvio” (Luanda Records/Sony Music), vigésimo-quarto disco de Djavan, com lançamento no dia 23 de novembro. Une essas duas paixões. Como todos os seus sambas tem aquele estilo próprio, aquele fraseado, o sincopado único que o fazem um dos estilistas da moderna música brasileira. A letra originalíssima cita, com naturalidade, os nomes científicos de pelo menos 15 dessas espécies de orquídeas que ele cultiva, inclusive uma tal Javanica, que ouvida assim na canção lembra o nome do compositor. O que não deixa de ter um pouco de verdade: Djavan é hoje tanto descobridor de melodias como de flores, às duas, dispensa a mesma devoção. Canções e flores djavânicas, não é nenhum absurdo dizer do criador do verbo “caetanear” (que Caetano retribuiu com outro neologismo, “djavanear”), na canção “Sina”.

Em comum com várias das outras canções do disco há a recorrência das metáforas e imagens da natureza, do poder avassalador da natureza, expressa na própria canção-título, “Vesúvio”: “Todo mar tem onda/Você tem um poder/Que me lembra o Vesúvio/O sol é de ouro/Que na foz do prazer/Me transforma em dilúvio”, a riqueza das rimas, a exuberância das imagens, os elementos da natureza anunciando um disco solar em contraste com o momento difícil, tenso que estamos vivendo.

Na verdade, o samba é uma exceção em “Vesúvio”. Trata-se, numa definição simples, inequívoca, de um disco pop.

– Estou sempre buscando novas motivações e para mim pareceu um desafio imenso fazer música pop neste momento, eu que normalmente em meus discos invisto na diversificação _ afirma Djavan. _ E quis fazer um disco pop também pelo momento em que estamos vivendo, nebuloso, de tanta incerteza no país e no mundo. Queria que a minha mensagem musical chegasse com mais facilidade, com mais fluidez, cristalina.

E é isso mesmo o que acontece na maior parte das 13 músicas do disco: são canções pop. O que, no entanto, não deixam por isso de conter muitos detalhes e sutilezas. Em “Vesúvio” mesmo, por exemplo, já aparecem as duas principais influências musicais não brasileiras de Djavan e que tem a ver com sua ancestralidade: o violão flamenco executado por Torcuato Mariano já desde a introdução, e o ritmo africano, tribal, coisas que ele busca desde que começou a ir a Espanha e África (mais especificamente, Angola), nos anos 80, e que aqui está traduzido neste ritmo levado por uma bateria só de tom-tom e bumbo, executada por Felipe Alves.

Num raro movimento em sua carreira, e muito devido ao tal “momento de incerteza” no Brasil e no mundo, com guerras lá fora e crise aqui dentro, Djavan fez canções com um discurso político explícito. Como o título indica, ele compôs “Solitude” num momento de reflexão e de íntima perplexidade. Ou como diz de forma tão cristalina a letra da canção: “Vidas fardos/Meros dados/Incontáveis casos/De desamor/Quanta dor/Muita dor/Quem é que sabe/O quanto lhe cabe/Dessa solitude?/Por isso a hora/De fazer é agora/Tome uma atitude”.

Ainda nessa linha de denunciar a nossa passiva perplexidade cotidiana, o letrista Djavan continua uma cara tradição da poesia que é tentar traduzir em versos a irracionalidade das guerras. Se um poeta como Paul Valéry dizia, na época da Primeira Guerra Mundial, que “tanto horror não teria sido possível sem tanta virtude:  sem dúvida, foi preciso muita ciência para matar tantos homens, dissipar tantos bens, aniquilar tantas cidades em tão pouco tempo”. Agora, em “Solitude”, diante das guerras de hoje Djavan volta ao tema ainda mais conciso e preciso e define: “Guerra vende armas/Mantém cargos/Destrói sonhos/Tudo de uma vez”.

Musicalmente, “Solitude” tem uma primeira parte muito simples, uma melodia pop, quase um mantra, que evolui para uma segunda parte com uma construção harmônica complexa e original, típica das composições de Djavan. Como sempre em seu processo criativo, a melodia nasceu antes, foi arranjada e gravada para valer e só depois de pronta recebeu letra, como aliás aconteceu com todas as canções do disco. A música flagrou o poeta tenso com o que via do mundo, o que fez com que até a matéria-prima de suas canções, de quase todas as canções, parecesse ter menos valor e gerasse o achado poético que abre “Solitude”: “Amor em queda/Mesmo tal moeda/Perde cotação”, o amor aí tratado com a frieza do noticiário da crise econômica, mas com o absurdo da situação denunciado de forma sutil no segundo verso (“mesmo tal moeda”), a poesia ressaltando o absurdo contido na notícia fria (não fosse esse estranhamento a função mesma da poesia, não é?).

Outra canção explicitamente pop e política do disco é “Viver é dever”, um rock com letra seca e direta, como pede o gênero também raro em sua obra: “Tudo vai mal/Muito sal/Nada vai bem/Pra ninguém/Nessa pressão/Quem há de dar a mão/Pra que o mundo/Saia lá do fundo/Pra respirar/E não morrer?”. E sem abrir mão das referências grandiosas à natureza: “A paixão é o sol/Que se espalha no ar…”. Assim como o funk suingadíssimo “Cedo ou tarde”, um retrato de uma atualidade marcada pelo medo, numa definição impressionante: “Quem manda é o medo/A hora é imprópria/Pra sorrir/Viver assim/Com tais dissabores/Não é brincadeira”.

Pop e prenhe de sutilezas são canções como “Dores gris”, com sua letra também cheia de imagens de natureza e cores (gris) tão djavânicas para traduzir o (des)amor: “O vento austral/Sopra longitudinal/As melenas da nau-solidão/E as dores gris”. E a lindíssima balada do disco, a confessional “Tenho medo de ficar só”, uma das maiores homenagens ao amor na história da canção brasileira, vejam a letra desbragada, que insiste, bem no espírito de “Vesúvio”, nas metáforas de natureza, de flor: “Amar me faz superior/Tudo queda aos meus pés/Tudo me é possível/Ou crível/Esqueço os demais/Simples mortais/Só me interessa o amor/Alguém pra cultivar/Uma vida em flor”.

“Meu romance” é uma canção sobre o amor real, realizado, em forma de um popíssimo bolero espanhol, que recebeu inclusive uma versão quase literal em espanhol, intitulada “Esplendor”, do compositor uruguaio Jorge Drexler. A versão será lançada mundialmente, com direito a dueto com Drexler, a primeira vez, aliás, que Djavan divide os vocais de uma canção num disco de estúdio próprio desde que Cássia Eller cantou com ele “Milagreiro”, em 2001.

Enquanto uma outra forma de amor – o que não aconteceu – “Um quase amor” tem uma das letras mais inusitadas do disco (“Você me pede pra manter segredo/Sobre o que não aconteceu/Que eu nada tente dizer/Do que não houve/Entre você e eu/Jogando luzes/Sobre os mínimos detalhes/De algo que não se confirmou”) e talvez seja a canção mais chique, vestida pelo vibrafone jazzístico de Jota Moraes. Djavan estava com saudade desse vibrafone de pianista, no estilo do americano Milt Jackson, que apareceu já em seu segundo disco, no solo do próprio Jota Moraes em “Nereci”.

“Mãos dadas” é um shuffle, aquela dança, variante do funk mas levíssima, já explorada por compositores como o seu velho parceiro Stevie Wonder em “Isn’t she lovely” – com direito a uma homenagem a ele, aliás, no improviso vocal que Djavan faz. A letra, seguindo a leveza da música, é totalmente direta: “Agi assim/Porque não tolero gente ruim…”.

Apesar de ter letra tão típica de “Vesúvio”, com grandiosos versos inspirados na violência da natureza (“És minha, eu sei/Abrir-se um céu azul/Em meio à tempestade/Glacial/É normal, porque és minha”) e até nome de flor, “Madressilva” é uma exceção em termos formais: com sua melodia densa e sua estrutura harmônica parece uma peça clássica, num contraste com o espírito do disco. Djavan a compôs para isso mesmo, ser um respiro na atmosfera geral do trabalho.

Para conseguir a sonoridade que desejava, Djavan apresenta uma nova banda composta por velhos companheiros como o guitarrista Torcuato Mariano e os pianistas Paulo Calasans e Renato Fonseca, e dois músicos novos, justamente o baixista, Arthur de Palla, e o baterista, Felipe Alves, uma cozinha com um suingue ainda mais pop para a sua nova safra de canções. É este grupo que o acompanha em toda as canções do disco que deve segui-lo na turnê mundial que se inicia ano que vem.

Com essa grande leva de canções novinhas, compostas especialmente para “Vesúvio”, Djavan não ouviu poucas vezes um “pra que isso”, um “por que tantas canções novas”?

– Comecei isso há 40 anos, meu papel é fazer canções – diz o criador, seja de melodias ou flores.

Ou, coerentemente como diz em “Solitude”: “parece tarde/Falar de amizade/Ver com o coração”. Mas mesmo assim Djavan resolveu não ficar parado. Foi lá e fez novas canções, ou seja, viu com o coração. Tomou uma atitude, como diz a própria canção.

- Publicidade -

Mais Notícias

Quatro vezes que Fernanda Paes Leme provou que o delineador colorido veio para ficar

Tendência nas passarelas e queridinho das famosas, o delineador colorido veio para ficar e é uma ótima opção para quem quer apostar em uma Make mais divertida e ousada.

Anavitória, Vitor Cley, Daniel, Lilia Cabra e Eagle-Eye Cherry agitam o Altas Horas

Basquete, cinema, humor e muita música: é o que promete o ‘programa deste sábado

Bondinho Pão de Açúcar comemora 107 anos com muito samba

A comemoração terá ainda a feira Carioquíssima, a já tradicional feira amada pelos cariocas, que tem stands de gastronomia, moda e arte.

Casa do Alemão celebra a Oktoberfest

Para entrar no clima da comemoração, a casa criou dois pratos especiais: Salsichas com creme de queijo (R$ 25) e Currywurst (R$ 30)

Cantor francês Maurice Durozier faz show no Espaço Sérgio Porto

O francês apresenta as músicas do álbum "Sonho Errante", com músicas que fazem uma ode à vida

Primeira edição do ‘Boteco Tradição e Cultura’ acontece na Lagoa

O projeto BTC – Boteco, Tradição e Cultura é apresentado e patrocinado pela Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro e Secretaria Municipal de Cultura, por meio da Lei Municipal de Incentivo à Cultura – Lei do ISS.

Silvio Santos recebe Jorge Kajuru e Kim Kataguiri

Os convidados batem um papo com Silvio e respondem perguntas feitas por ele

Horóscopo de domingo 20 de outubro de 2019

Confira a previsão do horóscopo para o dia 20 de outubro de 2019 e fique por dentro de...

Confira a provável escalação do Fluminense contra o Flamengo

Marcão quer Tricolor com mente forte contra o rival carioca

Confira a provável escalação do Botafogo contra o CSA

Clube faz promoção para mulheres para atrair mais público jogando em casa

Confira a provável escalação do Flamengo contra o Fluminense

Rodrigo Caio descarta favoritismo rubro negro e critica o calendário do futebol brasileiro

Confira as prováveis escalações de Internacional e Vasco da Gama

Gigante da colina começa a pensar em vaga na Libertadores, mas o Internacional que retomar a boa fase

Incêndio na Quatro por Quatro feriu três Bombeiros e matrou outros três

As causas do incêndio ainda estão sendo apuradas, de acordo com a assessoria da corporação

Incêndio na Quatro por Quatro deixa três bombeiros mortos

Roberto Robadey, comandante-geral do Corpo de Bombeiros, informou que outros três bombeiros ficaram feridos e foram socorridos.

Mario Frias e as modelos Maura Maurer e Flávia Barros participam do ‘Mega Senha’

Maura e Flávia são duas das influenciadoras que comandam o ‘Espelho Meu’, canal do YouTube que reúne semanalmente tendências de moda

MetrôRio terá funcionamento especial para o Fla x Flu neste domingo, no Maracanã

Trens extras vão circular pelas linhas 1, 2 e 4 e haverá reforço de efetivo nas estações

Lamsa inicia última etapa das obras de passarela interditada em Del Castilho

Concessionária estima liberação do acesso a pedestres até a próxima terça-feira

Horóscopo de sábado 19 de outubro de 2019

Veja o que está reservado para o seu signo

Saiba como fazer o carro valer até R$ 5 mil a mais na hora da venda

Na hora de vender o carro, algumas dicas são úteis para valorizá-lo

Confira os benefícios e riscos dos suplementos alimentares

Nutricionista fala sobre os suplementos alimentares e dá dicas importantes sobre sua utilização.

Julianne Trevisol e Márcio Kieling estreiam peça no Rio

Eles estão no espetáculo Ao Anoitecer, que estreia neste sábado, dia 19, na Fundição Progresso

Lucas Lucco lança DVD em formato de álbum com 6 músicas inéditas

Pertencente ao projeto "De Bar em Bar", gravado em Goiânia, as composições estão disponíveis nas plataformas de streaming

IGP-M acumula inflação de 3,33% em 12 meses

Os dados são da Fundação Getulio Vargas

Governo libera recursos para universidades federais

Segundo o Ministro da Educação, o contingenciamento não chegou a prejudicar nenhuma das ações da pasta

Saída de Joice da liderança do governo no Congresso mostra que PSL “não tem identidade partidária”, avalia cientista político

Para Eduardo Grinn, a mudança é consequência dos problemas estruturais do partido do presidente Jair Bolsonaro

Servidores do Degase anunciam possível paralisação

A informação foi divulgada durante audiência pública da Comissão de Servidores Públicos da Alerj

Danton Mello participa do filme “Um Tio Quase Perfeito 2”

O ator vive Beto, um forte candidato a roubar o coração dos sobrinhos do Tio Tony (Marcus Majella)

Ludmilla encara “maluquices” de Rodrigo Faro

Cantora gravou um quadro do Hora do Faro de domingo

Fãs de BTS suspeitam de fraude no “Meus Prêmios Nick”

Os fãs dos astros do K-POP BTS estão muito insatisfeitos com o resultado do prêmio de Fandom...

Júlia Pereira entrevista Maísa e Sophia Abrahão no SPWF

Apresentadora revela curiosidades de famosos em quadro do TV Fama

Carla Perez participa de ‘challenge’ de lingerie e posta foto em apoio ao Outubro Rosa

A postagem da cantora faz parte do "Desafio Rosa", um challenge na web

O Globo realiza Gin Garden no CasaShopping

Promovido pela revista Ela, o evento reúne exposição de marcas do destilado, drinks especiais, apresentações, roteiro de gim nos restaurantes do shopping, pockets shows e mais, de 18 a 20 de outubro

The Gift Box Editora confirma participação na LER – 3º Salão Carioca do Livro

Evento acontece de 20 a 24 de novembro, na Biblioteca Parque Estadual.

Horóscopo de sexta-feira 18 de outubro de 2019

Saiba tudo o que os astros reservam para você

Novas temporadas da franquia Chicago chegam em novembro no Universal TV

As séries mostrarão como os protagonistas vão lidar com os traumas e perdas, frente a novos desafios, responsabilidades e suspeitas

Índice de roubos de cargas dos correios reduz 40% no Rio este ano

Apesar disso, as restrições de entrega domiciliar crescem no Estado e afetam o desenvolvimento do e-commerce

335 homenageia suas referências em show no Smoke Lounge

Banda de Niterói apresentará repertório do Pearl Jam em noite que contará ainda com tributo a David Bowie

Ministério da Justiça mantém Força Nacional no combate ao desmatamento na Amazônia

A permanência dos militares será de 20 de outubro até 16 de abril de 2020 nas unidades de conservação federais

Mara Maravilha diz ser a Anitta de sua época

De volta ao programa ‘Fofocalizando' depois de quase um ano afastada, Mara faz um balanço dos 30 anos de trajetória na TV

Última temporada de Killjoys chega ao SYFY

Killjoys conta a história de caçadores de recompensas e aventuras interplanetárias com muita ação, romance e drama.

Bake Off Brasil – Mão na Massa terá dupla eliminação

O primeiro desafio será um bolo de peixe. São dois bolos esculpidos, um representa o peixe Tucunaré e o outro o peixe Cachara

ENEM: Cartões com os locais de prova já estão disponíveis

No total, mais de 5 milhões de pessoas farão o exame neste ano

De véspera, ministros do STF defendem prisão em 2ª instância

Tema será julgado na sessão do Supremo desta quinta-feira

Outras Notícias

- Publicidade -