Nos últimos 20 anos, o escritor Luis Fernando Verissimo diz que viu os cabelos irem embora, algumas ilusões políticas também, e passou a escrever menos. “Sempre me admiro com o tamanho dos meus textos antigos. Não sei se fiquei mais sucinto ou mais preguiçoso.”

Algumas dessas mudanças estão condensadas em seu novo livro, “Ironias do Tempo”, lançado pela Objetiva. Nele, Adriana e Isabel Falcão selecionam crônicas publicadas na imprensa de 1998 a 2018, todas relacionadas de alguma maneira à passagem do tempo e às mudanças que duas décadas impuseram ao dia a dia.

- Publicidade -

Estão lá o fim do governo FHC, o início dos anos Lula, a Lava Jato, o surgimento do reality Big Brother e do celular, a navegação por GPS, o futebol por pay-per-view e outros.

Tudo costurado com as linhas que costumam compor a crônica brasileira, feita ao mesmo tempo de literatura, da efemeridade dos acontecimentos e de uma leveza que parece um bate-papo de boteco entre escritor e leitor.

“As crônicas da era clássica, de Rubem Braga, Paulo Mendes Campos, Antônio Maria, Fernando Sabino, Sérgio Porto, aquela turma, eram mais literárias e mais bem escritas, acho eu. E podiam ser líricas ou impressionistas sem destoarem demais do resto do jornal. Hoje, a realidade estampada na imprensa não permitiria isso”, acredita.

A essa altura da entrevista, Verissimo se desculpa, e diz que a crônica está a caminho de se tornar obsoleta. Sinal dos novos tempos?

“Na China, dizer ‘que você viva em tempos interessantes’ é uma praga que se roga para o pior inimigo. Acho que estamos vivendo tempos interessantes demais”, diz.

Mas, lendo os cerca de 90 textos reunidos no livro, percebemos que o Brasil sempre foi um lugar interessante até demais. É justamente daí que vão aparecendo nas entrelinhas algumas das tais ironias que dão título à coletânea -afinal, o tempo pode até passar para todos, mas há um monte de coisas que não mudam de jeito nenhum.

Não apenas na política ou nos costumes, mas talvez na própria crônica, um gênero que pode se mostrar mais duradouro do que se costuma comentar. “Como dizem que ela é tudo o que é chamado de crônica, então pode ter uma sobrevida, mesmo camuflada de outra coisa”, confessa.

Se é o caso dos textões nas redes sociais ou dos memes mais compartilhados da última semana, Verissimo não sabe -embora essa seja uma seara em que ele reina praticamente absoluto, tendo talvez o posto ameaçado só por Clarice Lispector.

Os dois costumam ter frases, análises, pensamentos e avaliações compartilhados a torto e a direito pela rede. Grande parte delas, contudo, não foram, de fato, escritas pelos autores. “Não há o que fazer, que eu saiba, contra esse tipo de coisa. Já fui muito elogiado pelo que nunca escrevi, não estou me queixando. Chato vai ser quando um falso texto meu difamar alguém.”

Contra isso existem os livros e antologias, um jeito de driblar as armadilhas do tempo e dizer “olha, isso aqui fui eu mesmo que escrevi”.

Mas Verissimo tem outra dica para leitores que não quiserem dar tempo ao tempo e desejarem uma resposta mais imediata sobre a autoria de algo que viralizou nas redes e que esteja assinado por ele.

“Há uma maneira de detectar se o texto é falso ou não: se o Luiz da assinatura for com ‘Z’, o texto não é meu. Se for contra o Bolsonaro, é.”

IRONIAS DO TEMPO
AUTOR Luis Fernando Verissimo
EDITORA Objetiva. R$ 49,90 (208 págs.)