22.5 C
Rio de Janeiro
quarta-feira, 22 de maio de 2019 8:2300
- Publicidade -

Brasil tem futuro incerto no calendário da Fórmula 1

- Publicidade -

O Autódromo de Interlagos foi palco de uma corrida tensa e emocionante no domingo, mas o futuro de longo prazo do Grande Prêmio do Brasil de Fórmula 1 continua incerto.

O contrato atual vence em 2020, e as negociações, difíceis no passado devido a exigências de melhorias caras no circuito de São Paulo, podem se complicar ainda mais.

- Advertisement -

A prefeitura disse que pretende privatizar o autódromo como parte dos planos para reduzir os gastos públicos.

O prefeito Bruno Covas assistiu à corrida de domingo e disse a repórteres que a cidade planeja ir adiante com a privatização e garantir a continuação da prova.

Um projeto de lei com essa proposta ainda precisa ser aprovado em uma segunda votação na Assembleia Legislativa que não tem data marcada.

“A corrida é importante para a cidade, todos nós temos interesse em mantê-la”, disse Covas.

O modelo definitivo da privatização, que preocupou parte da comunidade automobilística brasileira por conter a proposta de edifícios residenciais em uma parte do terreno, é considerado essencial para as conversas sobre a preservação do GP na cidade.

Alguns pilotos locais se reuniram recentemente com Covas na prefeitura para debater a situação. Interlagos é a única prova sul-americana no calendário da F1, mas o Brasil não tem mais nenhum piloto competindo na categoria desde a aposentadoria de Felipe Massa, vice-campeão mundial em 2008.

Com ingressos esgotados, a corrida de domingo foi vencida pelo pentacampeão mundial Lewis Hamilton, rendendo o título de construtores para a Mercedes, depois que a Red Bull de Max Verstappen se envolveu em uma colisão com a Force India de Esteban Ocon quando liderava.

O incidente controverso foi muito comentado, e após a corrida Verstappen confrontou Ocon raivosamente e lhe deu vários empurrões.

Controlada pela empresa norte-americana Liberty Media, a F1 planeja expandir seu calendário, incluindo novos locais, como o Vietnã, e mais corridas nos Estados Unidos.

Na semana passada, o diretor-gerente comercial da modalidade, Sean Bratches, disse que a F1 quer manter suas “corridas tradicionais”, mas que também tem que ser administrada como um negócio.

Um porta-voz da F1 disse que não existe pressa para acertar uma renovação de contrato com o Brasil e que ainda há tempo de sobra.

“O Brasil é um país importante para a F1”, acrescentou.

Últimas Notícias

“Chega” de homofobia no futebol, pede Antoine Griezmann

"A homofobia não é uma opinião, é um crime", disse o atacante

Vasco da Gama chega a dois meses de salários atrasados e jogadores podem sair

O receio da diretoria é de perder peças importantes por conta da insatisfação com a situação a qual o clube chegou.

Caças dos EUA interceptam bombardeiros russos na costa do Alasca

A esquadra russa incluía dois bombardeiros estratégicos Tu-95, que foram interceptados na segunda-feira por dois caças F-22

Apenas 38,7% das vagas do Fies foram preenchidas no primeiro semestre

Das 100 mil vagas ofertadas, foram assinados 38.793 contratos

Embratur tem seu terceiro presidente em pouco menos de seis meses no governo Bolsonaro

Gilson Machado teve sua nomeação para o cargo publicada no Diário Oficial da União desta terça

Adidas, Puma e Nike consideram novas tarifas à China catastróficas

Trump elevou a 25% as tarifas já existentes sobre US$ 200 bilhões em produtos chineses

Fitch mantém nota de classificação de risco do Brasil

A agência manteve a perspectiva estável para o país, indicando que a classificação não deve ser alterada nos próximos meses.

Termina primeira audiência do julgamento de Cristina Kirchner

A audiência de hoje foi a primeira de um processo que deve durar o ano todo

Caixa começa a chamar candidatos aprovados no concurso de 2014

O presidente da Caixa, Pedro Guimarães, disse que as contratações têm por objetivo o fortalecimento da rede de agências, valorizando o atendimento aos clientes.