22.5 C
Rio de Janeiro
quarta-feira, 22 de maio de 2019 8:3755
- Publicidade -

Liga espanhola apelará à UE se Uefa não impuser Fair Play Financeiro ao City e ao PSG

- Publicidade -

A La Liga, entidade organizadora do Campeonato Espanhol, está disposta a recorrer à União Europeia se a Uefa não impuser as regras do Fair Play Financeiro (FFP) ao Manchester City e Paris Saint-Germain, disse um porta-voz à Reuters nesta terça-feira.

Os documentos do chamado ‘Football Leaks’, que mostraram que os dois times inflaram os rendimentos com patrocínio para cumprir os requisitos, foram obtidos pela publicação alemã Der Spiegel e analisados pela Reuters em parceria com as Colaborações Investigativas Europeias, um consórcio da mídia internacional.

- Advertisement -

Os papéis, que cobrem a maior parte dos últimos 10 anos, incluem detalhes antes inéditos da investigação da Uefa sobre as finanças dos dois clubes e os termos de acordos relacionados às regras do FFP.

“Os documentos do Football Leaks parecem confirmar o que estamos dizendo há anos”, disse o porta-voz da La Liga, Joris Evers, à Reuters, acrescentando que PSG e Manchester City deveriam ser punidos.

Ele disse que sua organização não tem “plena confiança” de que a Uefa imporá as regras do FFP, acrescentando: “Caso a Uefa não aja, faremos o que dissemos antes: apresentar uma queixa às autoridades de competições da UE”.

O Manchester City e o Paris St Germain, respectivamente o campeão inglês e francês, não responderam de imediato a um pedido de comentário sobre a afirmação da La Liga.

Na semana passada o City emitiu um comunicado dizendo: “Não faremos nenhum comentário fora do contexto dos materiais supostamente copiados ou roubados do City Football Group e de funcionários do Manchester City e pessoas associadas. A tentativa de prejudicar a reputação do clube é organizada e clara”.

O PSG emitiu um comunicado na sexta-feira dizendo: “O Paris Saint-Germain sempre cumpriu plenamente as leis e regulamentos decretados por instituições esportivas”, acrescentando que nega as alegações com firmeza.

Pelas regras do FFP, os times precisam ser transparentes a respeito de suas rendas e equilibrá-las de forma geral com seus gastos. As regras foram concebidas para incentivar as equipes a viver de acordo com seus meios e evitar que os proprietários de times mais ricos esmaguem seus rivais.

A Comissão Europeia não estava disponível de imediato para comentar. Questionada pela Reuters, a Uefa se referiu a um comunicado emitido na sexta-feira no qual disse: “Não podemos comentar casos específicos devido às obrigações de confidencialidade que a Uefa precisa respeitar”.

(Reportagem adicional de Richard Martin em Milão)

Últimas Notícias

“Chega” de homofobia no futebol, pede Antoine Griezmann

"A homofobia não é uma opinião, é um crime", disse o atacante

Vasco da Gama chega a dois meses de salários atrasados e jogadores podem sair

O receio da diretoria é de perder peças importantes por conta da insatisfação com a situação a qual o clube chegou.

Caças dos EUA interceptam bombardeiros russos na costa do Alasca

A esquadra russa incluía dois bombardeiros estratégicos Tu-95, que foram interceptados na segunda-feira por dois caças F-22

Apenas 38,7% das vagas do Fies foram preenchidas no primeiro semestre

Das 100 mil vagas ofertadas, foram assinados 38.793 contratos

Embratur tem seu terceiro presidente em pouco menos de seis meses no governo Bolsonaro

Gilson Machado teve sua nomeação para o cargo publicada no Diário Oficial da União desta terça

Adidas, Puma e Nike consideram novas tarifas à China catastróficas

Trump elevou a 25% as tarifas já existentes sobre US$ 200 bilhões em produtos chineses

Fitch mantém nota de classificação de risco do Brasil

A agência manteve a perspectiva estável para o país, indicando que a classificação não deve ser alterada nos próximos meses.

Termina primeira audiência do julgamento de Cristina Kirchner

A audiência de hoje foi a primeira de um processo que deve durar o ano todo

Caixa começa a chamar candidatos aprovados no concurso de 2014

O presidente da Caixa, Pedro Guimarães, disse que as contratações têm por objetivo o fortalecimento da rede de agências, valorizando o atendimento aos clientes.