Estas semanas não têm tido notícias muito animadoras sobre as relações entre o Brasil e os países de cultura árabe. Com o anúncio do presidente eleito, Jair Bolsonaro (PSL), de que vai transferir a embaixada brasileira em Israel a Jerusalém, reconhecendo na prática aquela cidade como capital israelense, o Egito decidiu cancelar a visita de uma delegação brasileira ao país. A facção palestina Hamas, considerada uma organização terrorista por Israel e Estados Unidos, também criticou o Brasil.

Há em paralelo, no entanto, uma notícia bastante alentadora: uma antologia de 12 autores brasileiros será traduzida à língua árabe e publicada nos Emirados Árabes Unidos no ano que vem. A coleção vai incluir escritores como Milton Hatoum, Raduan Nassar e Marcelo Maluf. A tradução será feita pelos professores da USP (Universidade de São Paulo) Mamede Jarouche e Safa Jubran, que têm trazido ao português obras fundamentais da língua árabe, como “As Mil e Uma Noites” e “Yalo”.

- Publicidade -

Segundo a notícia da agência Anba, o projeto é capitaneado pela Revista Pessoa em parceria com a Câmara de Comércio Árabe Brasileira e com o projeto de tradução Kalima, vinculado ao Departamento de Cultura e Turismo do emirado de Abu Dhabi. A organização é de Leonardo Tonus, da Universidade Sorbonne.

A informação também circulou pela imprensa árabe. O jornal The National, dos Emirados Árabes, deu destaque ao fato de que há milhões de árabes vivendo hoje no Brasil -o governo brasileiro diz, por exemplo, que há 7 milhões de libaneses e descendentes no país, incluindo o presidente Michel Temer (MDB) e o presidenciável derrotado Fernando Haddad (PT). “Há curiosidade sobre como a diáspora árabe vive no exterior”, o editor Saeed Al Tunaiji disse àquele jornal. “Existe um interesse na maneira com que eles veem o mundo, em como eles mantém a sua cultura.”

Essa iniciativa não é isolada. O emirado de Sharjah foi o convidado de honra da Bienal do Livro de São Paulo de 2018, distribuindo livros de autores locais em tradução ao português. Há também relatos de que editoras árabes têm se aproximado de suas contrapartes brasileiras em outros festivais de literatura, como o de Frankfurt, na Alemanha.

O fomento à literatura, ademais, é uma prioridade cultural do emirado de Abu Dhabi, que organiza anualmente um troféu internacional de literatura árabe -premiando autores com traduções ao inglês.

Deixe seu comentário