23.4 C
Rio de Janeiro
segunda-feira, 22 de julho de 2019 1:0356
- Publicidade -

General Heleno diz que “Ninguém está pensando em intervenção militar”

Futuro ministro diz que presença de militares no governo é positiva

O general Augusto Heleno Ribeiro Pereira, confirmado como ministro da Defesa do governo eleito de Jair Bolsonaro (PSL), negou hoje (5) que a nomeação de integrantes das Forças Armadas para a equipe de transição indique uma postura autoritária do governo eleito. Segundo ele, são nomeações técnicas e que consideram a elevada formação profissional.

“O país resolveu aproveitar tudo o que investe na formação. É uma questão de coerência de aproveitamento do que foi investido nos militares, que nós possamos participar da vida pública. Não tem nada a ver com governo militar, ninguém está pensando em intervenção militar, ninguém está pensando em autoritarismo, é uma aproveitamento de gente que o país não estava acostumado a aproveitar. Pouca gente conhece o Brasil como nós”, disse.

- Advertisement -

O general Augusto Heleno participou hoje (5) da primeira reunião da equipe de transição coordenada pelo ministro extraordinário Onyx Lorenzoni. Após o encontro, o general foi perguntado sobre a participação de militares no próximo governo, que inclui o próprio presidente eleito, capitão reformado do Exército, além do vice-presidente da República, general Mourão.

Indicação de Moro

O general Augusto Heleno classificou a confirmação do juiz federal Sergio Moro para o Ministério da Justiça como “um gol de bicicleta do meio de campo” do presidente eleito Jair Bolsonaro. Ele afirmou que a escolha de todos os prováveis 16 ministros do governo não deve ser urgente e que há muitos nomes qualificados.

“Todos apresentam credenciais muito significativas e naturalmente a escolha é muito difícil. Imaginem a pressão que o presidente sofre nessa altura. Não há essa urgência, não é tão urgente assim”, afirmou.

Venezuela

Questionado sobre a atuação do Ministério da Defesa na crise migratória da Venezuela, o general Heleno classificou a questão como um “problema humanitário” e disse que o trabalho de acolhimento será mantido.

“As Forças Armadas estão sendo empenhadas no atendimento humanitário, a gente está acolhendo quem está resolvendo passar a fronteira para o lado do Brasil. É um trabalho difícil, a quantidade [de migrantes] é acima da capacidade de Roraima.”

O militar negou que haverá, por parte do próximo governo, qualquer tipo de “ingerência” nos assuntos internos da Venezuela e disse que o fechamento de fronteira entre os dois países está fora de cogitação porque é uma proposta, segundo ele, “não realizável” na prática.

Assine nossa Newsletter

Para ser atualizado com as últimas notícias, ofertas e anúncios especiais.

Últimas Notícias

Botafogo perde para o Santos com golaço de Marinho

Na manhã deste domingo (21), Peixe leva a melhor no duelo alvinegro, vence por 1 a 0 no Nilton Santos e alcança mesma pontuação do Verdão

Bolsonaro aguarda “sim” de Trump para indicar filho a embaixada do Brasil nos EUA

Após aval dos norte-americanos, Eduardo Bolsonaro ainda precisará ser aprovado na comissão de Relações Exteriores e no plenário do Senado

PM quer retomar programa de UPP no Rio

Segundo secretário, programa sofreu sucateamento nos últimos anos

Bolsonaro afirma que não vai propor fim da multa de 40% do FGTS

Ele se reunirá neste domingo com equipe econômica para definir saques

Estação Espacial Internacional lançará 100 “minicérebros” humanos ao espaço

rata-se de uma pesquisa realizada pela Universidade da Califórnia e que conta com trabalho do cientista brasileiro Alysson Muotri

Agnaldo Timóteo tem alta após quase dois meses internado

Cantor teve princípio de AVC e infecção urinária