sábado, fevereiro 22, 2020
24 C
Rio de Janeiro
Início Cultura Teatro 'Villa' rememora centros de tortura da ditadura de Pinochet
- Publicidade -

‘Villa’ rememora centros de tortura da ditadura de Pinochet

Mais Lidas

Projeto prorroga cessão do Teatro Casa Grande por mais 20 anos

O espaço fica na Avenida Afrânio de Melo Franco, 290

Veja a Agenda dos Blocos de Rua do Rio em 2020

Não faltam opções para quem curtir a folia no Rio de Janeiro

Galeão recepciona turistas com exposição sobre carnaval

Fantasias e adereços ficarão no aeroporto até 2 de março
- Advertisement -

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) – Villa Grimaldi é um extensa propriedade de cerca de 3 acres nas ladeiras de Peñalolén, comuna ao leste de Santiago do Chile. Hoje dá lugar a um parque e a um memorial, mas durante a ditadura chilena foi o principal centro de tortura do regime de Augusto Pinochet.

Também é o centro de “Villa”, espetáculo do dramaturgo Guillermo Calderón, um dos principais expoentes do teatro de seu país, que agora ganha uma montagem brasileira. A Villa Grimaldi não está em cena, mas ecoa o tempo todo na história, como os rastros da ditadura, que pululam na memória da sociedade.

- Publicidade -

Já findo o regime, três mulheres (aqui interpretadas por Flávia Strongolli, Rita Pisano e Angela Ribeiro) reúnem-se em torno de uma mesa para discutir o destino da Villa.

Precisam votar se o local deveria retornar ao que era antes do governo Pinochet, um complexo de luxo que recebia encontros da elite, se querem fazer dali um museu em memória aos torturados ou se pensaram em outra funcionalidade para aquela área.

A primeira votação não é conclusiva, e as três voltam ao debate, colocando à mesa, cada qual, os seus argumentos. Mas aqui importa menos o resultado do pleito e mais a situação de impasse, que
Calderón, como de hábito, descreve em diálogos secos. E as personagens logo adentram uma discussão sobre a memória social e a dificuldade em se lidar com ela.

É uma realidade chilena, mas com traços bem semelhantes aos brasileiros, diz o diretor da montagem, Diego Moschkovich, que encenou em São Paulo, nos últimos anos, outros dois textos bastante políticos de Calderón: “Dezembro”, que imagina, num futuro próximo, uma América Latina toda em guerra, e “Neva”, que remete à Rússia czarista como metáfora da ditadura chilena.

“O Brasil assessorou o regime de Pinochet, muito do que eles fizeram [de tortura e repressão] lá, aprenderam com o governo daqui. E a gente vê como esses movimentos de queda de estado democrático de direito são acompanhados da criação de uma subjetividade das populações, de identidade. Do que significa ser brasileiro ou ser chileno.”

Há mais de quatro anos, Moschkovich vem estudando os documentos da Comissão da Verdade -que investigou violações de direitos humanos no Brasil ocorridas entre 1946 e 1988- em trabalhos paralelos com o seu grupo, o Laboratório de Técnica Dramática.

Tanto que entram em sua versão de “Villa” documentos fictícios e outros réplicas de papéis verdadeiros sobre as ditaduras latinas, alguns referentes aos casos de tortura da própria Villa Grimaldi, que o grupo pesquisou em passagens pelo Chile.

Nessa fronteira entre a ficção e documental, a montagem nacional busca as similaridades da obra com a realidade brasileira, explica o diretor. “Isso acaba nos remendo a casos de pessoas torturadas que conhecemos e também reforça o aspecto épico dessa nossa história.”

VILLA
Quando: qui. a sáb., às 20h30; feriados, às 18h. Até 24/11
Onde: Sesc Pinheiros – auditório 3º andar, r. Paes Leme, 195, em São Paulo
Quanto: R$ 7,50 a R$ 25
Classificação: livre

- Publicidade -

Assine nossa Newsletter

Receba as priincipais notícias do Brasil e do Mundo em seu email

Falando Nisso...
Conteúdo Relacionado

- Publicidade -
-- Conteúdo Recomendado -
- Publicidade -

Mais Notícias
Conteúdo Relacionado

Corpo de Bombeiros libera Sambódromo para desfiles no Rio de Janeiro

Neste ano, a Passarela do Samba recebe desfiles de 43 agremiações

Wellington Muniz, o Ceará, assina contrato com a Record TV

Humorista vai atuar no Domingo Show, que estreia sob o comando de Sabrina Sato

“Uma Noite Não é Nada”, com Paulo Betti e Luiza Braga, estreia no Canal Brasil

O drama do cineasta francês Alain Fresnot é ambientado na São Paulo de meados da década de 1980

Wellington Muniz, o Ceará, assina contrato com a Record TV

Humorista vai atuar no Domingo Show, que estreia sob o comando de Sabrina Sato

“Uma Noite Não é Nada”, com Paulo Betti e Luiza Braga, estreia no Canal Brasil

O drama do cineasta francês Alain Fresnot é ambientado na São Paulo de meados da década de 1980

Projeto prorroga cessão do Teatro Casa Grande por mais 20 anos

O espaço fica na Avenida Afrânio de Melo Franco, 290

Horóscopo de sexta-feira 21 de fevereiro de 2020

Confira a previsão dos astros para você

Guarda Municipal atua em apoio aos desfiles das escolas de samba

GM também vai atuar em diversos pontos de folia da cidade

Lauana Prado será a madrinha do “Bloco Villa Country Pinga Ni Mim”

Bloco desfila no Ibirapuera, dia 24 de fevereiro, a partir das 13h

Capes adota modelo inédito de concessão de bolsas

Intuito é corrigir distorções na distribuição do benefício; implementação será feita de forma gradativa
- Publicidade -