No estado do Rio de Janeiro, a totalização dos votos das 33.901 urnas eletrônicas foi concluída às 23h16 deste domingo (7), o que confere à Justiça Fluminense o segundo melhor desempenho, em termos de rapidez na apuração, entre os cinco maiores TREs do país, atrás apenas de Minas Gerais. Em relação à substituição de urnas, há registro de 303 ocorrências até o momento, o que corresponde a 0,9% do total. O município com o maior número de substituições foi o Rio de Janeiro (106), seguido de Magé (50) e São João de Meriti (41).
O presidente do TRE-RJ, desembargador Carlos Eduardo da Fonseca Passos, destaca que, mesmo com o rezoneamento determinado pelo TSE em 2017, que extinguiu 84 zonas eleitorais no estado e, em alguns casos, aumentou a distância entre os locais de votação e os cartórios eleitorais, onde os votos são totalizados, a apuração transcorreu de forma rápida e segura. “Neste primeiro turno, testamos com sucesso, em algumas seções eleitorais, uma nova tecnologia do TSE, denominada JE Connect, que permite a transmissão dos dados por uma rede segura sem fio. No segundo turno, pretendo ampliar o uso dessa ferramenta, o que deve tornar a totalização dos votos ainda mais ágil”, explicou o desembargador.
Graças à atuação dos órgãos de segurança, apesar do clima de polarização política e da circulação de inúmeras mensagens falsas ao longo de todo o domingo, não houve incidentes relevantes no tocante à segurança do processo eleitoral. “O TRE-RJ agradece a colaboração de todos os órgãos da Coalizão Eleitoral, comitê de ação integrada que reúne, além do Judiciário, o Ministério Público Eleitoral e instituições da área de segurança. A Coalizão desempenhou papel de fundamental importância para o bem-sucedido esquema de segurança das eleições, que contou, ainda, com o valoroso apoio das forças armadas, inclusive no transporte de urnas em áreas conflagradas”, declarou o presidente do TRE-RJ.
Apesar das filas geradas pela maior demora na digitação dos números de seis candidatos, assim como pela identificação biométrica, que ainda está em fase de implementação, o TRE-RJ destaca que o direito ao exercício do voto dos mais de 12,4 milhões de eleitores fluminenses foi garantido pela Justiça Eleitoral. “Além disso, deve-se ressaltar que o aproveitamento dos dados biométricos do Detran-RJ, embora no momento da votação possa ter gerado alguma demora, será positivo para o eleitor, que, tendo sua biometria validada, poderá ser dispensado pelo TSE de comparecimento posterior ao cartório eleitoral para realizar o cadastramento”, afirmou o magistrado.
A Justiça Eleitoral fluminense agradece também aos mais de 135 mil mesários, juízes eleitorais, servidores e demais colaboradores que tornaram possível a realização de um evento complexo e de grande porte como as eleições neste primeiro turno no estado do Rio de Janeiro, que, além do pleito para a a escolha de seis cargos eletivos, teve ainda um plebiscito, em Petrópolis, sobre o uso de tração animal em charretes turísticas. O papel da imprensa, que presta importante serviço à população, também merece ser destacado, inclusive no esclarecimento das chamadas “fake news”.
Ciente da importância de seu trabalho para o processo democrático brasileiro, o TRE-RJ, conforme faz a cada eleição, avaliará, nos próximos dias, os pontos que poderão ser aperfeiçoados para o segundo turno no estado.
Resultados
Para o cargo de governador, o estado do Rio de Janeiro terá segundo turno, que será disputado entre Wilson Witzel (PSC), que recebeu 41,28% dos votos válidos, e Eduardo Paes (DEM), que teve 19,56% dos votos válidos.
Para o Senado, foram eleitos Flavio Bolsonaro (PSL) e Arolde Oliveira (PSC).
No plebiscito realizado em Petrópolis, 68,57% dos votos válidos foram contra o uso de tração animal nas charretes turísticas do município.
O estado do Rio de Janeiro tem 12.401.199 eleitores. A abstenção foi de 23,6%.