Dudu abriu o marcador para o Bahia - Foto: Cesar Greco - Agência Palmeiras
Dudu abriu o marcador para o Bahia - Foto: Cesar Greco - Agência Palmeiras

O Palmeiras recebeu o Colo-Colo-CHI na noite desta quarta-feira (03), no Allianz Parque, pelas quartas de final da Conmebol Libertadores 2018 (jogo de volta). Após vencer por 2 a 0 na ida, o Verdão repetiu o placar no jogo derradeiro e assegurou vaga às semifinais do torneio continental. Agora, o Maior Campeão do Brasil aguarda o vencedor do duelo entre Cruzeiro e Boca Junior, nesta quinta-feira (04), para conhecer o seu adversário na próxima fase.

Com a classificação, o Palmeiras volta a figurar entre os quatro melhores da Libertadores pela 7ª vez na história (as outras semifinais foram alcançadas em 1961, 1968, 1971, 1999, 2000 e 2001). Portanto, um feito inédito alcançado pela primeira vez em 17 anos – a última havia sido em 2001.

- Publicidade -

Individualmente, dentro de campo, alguns jogadores tiveram algo a mais para comemorar além da classificação. É o caso de Miguel Borja: com o gol marcado, que sacramentou de vez o Palmeiras nas semifinais da Conmebol Libertadores 2018, o jogador alcançou um feito histórico, chegando a 29 gols pelo clube. Com isso, agora, Borja passa a figurar na lista dos 100 maiores artilheiros palmeirenses em todos os tempos, igualando os ex-jogadores Müller, que atuou nos anos 90, Enéas, que defendeu o clube na década de 80 e Dudu (Olegário Tolói de Oliveira), que jogou nos anos 60 e 70, nomes com os quais divide este posto. Neste top 100, do atual elenco, estão Dudu, com 52 gols, e Willian Bigode, com 33.

Vale lembrar que, com seus 29 gols, o dono da camisa 9 do Maior Campeão do Brasil possui outras marcas curiosas com a camisa do clube, como a de estar no top 10 de gringos com mais gols pela agremiação em todos os tempos (hoje na 10ª posição) e de ter sido o artilheiro do Campeonato Paulista de 2018, algo que aconteceu pela primeira vez nos últimos 105 anos em se tratando de um estrangeiro – o último jogador de outra nacionalidade a ter sido o goleador máximo do Paulista anteriormente havia sido o britânico Whatley, do Mackenzie College, na edição de 1913 do torneio.

Borja é o goleador máximo do time palmeirense no ano, com 19 tentos. O atleta, aliás, atuou em todas as partidas da Libertadores 2018: são dez jogos disputados de dez possíveis, com nove tentos anotados; ou seja, possui a ótima média de quase um gol por partida  – número que faz do colombiano artilheiro do torneio continental, ao lado de Wilson Morelo (vale lembrar, entretanto, que o time de Morelo, o Independiente Santa Fé-COL, foi eliminado na primeira fase).

Ao longo de sua trajetória na mais importante competição das Américas, o Alviverde já contou com quatro artilheiros: Tupãzinho (1968, com 11 gols), Lopes (em 2001, com nove gols), Marcinho e Washington (ambos em 2006, com cinco gols cada um). E agora, Borja vai repetindo esta sina.

O dono da camisa 7 palmeirense também continua fazendo história. Dudu marcou o primeiro gol da vitória por 2 a 0, resultado que garantiu o Alviverde na próxima fase, e ampliou ainda mais sua vantagem como dono do posto de maior artilheiro da arena, com 25 gols. Dudu também é o atleta que mais atuou no Allianz Parque (94 vezes) e que mais venceu (67 triunfos). É importante ressaltar ainda que, em todas as vezes nas quais o atacante fez gols no estádio, o Palmeiras jamais saiu de campo derrotado.

Não são só os gols. Dudu é, de forma isolada, o maior garçom do palmeiras na temporada de 2018, tendo deixado seus companheiros cara a cara com o goleiro para marcar 13 vezes (considerando todas as competições). Apenas no Campeonato Brasileiro, competição da qual o Verdão volta a jogar no próximo sábado (06), o jogador também encabeça a lista de assistentes, com oito passes a gol, de forma isolada.

E não foram apenas os jogadores. O técnico Luiz Felipe Scolari também ampliou recordes individuais após o jogo de hoje. Com 32 partidas na Libertadores, ele é o treinador que por mais vezes esteve à frente do time no torneio. De quebra, Felipão também é o comandante que mais venceu (17 triunfos) e que dirigiu o Alviverde em sua única conquista da competição: em 1999, diante do Deportivo Cali-COL, nos pênaltis, em duelo disputado no antigo Palestra Italia.

Histórico: Palmeiras na Libertadores

O Palmeiras é o time brasileiro com mais edições disputadas da Libertadores. Neste ano, o clube alviverde chegou a 18 edições participadas no torneio continental, ao lado de Grêmio e São Paulo. São, ao todo, 172 jogos pela Libertadores, com 91 vitórias, 32 empates e 49 derrotas (307 gols marcados e 193 sofridos).

O Maior Campeão do Brasil também é o clube brasileiro com mais gols na história da Conmebol Libertadores: o time alviverde marcou 307 vezes. Com isso, a equipe palestrina ocupa a décima colocação do ranking geral de clubes, considerando times estrangeiros, neste quesito. O líder é o River Plate-ARG, com 544 bolas na rede.

O Verdão carrega ainda a fama histórica de ter sido o primeiro brasileiro a ter disputado uma final de Libertadores. Foi em 1961, quando enfrentou o Peñarol na grande decisão e ficou com o vice-campeonato. O Alviverde ainda chegou à final em 1968 e 2000, além de 1999, quando foi campeão. O clube ainda alcançou a fase semifinal em 1971 e 2001.

Experiência não falta ao atual elenco palmeirense, afinal, cinco atletas já foram campeões do mais importante torneio das Américas. São eles: Edu Dracena, pelo Santos, Marcos Rocha, pelo Atlético Mineiro, Willian, pelo Corinthians, e Miguel Borja e Alejandro Guerra, ambos pelo Atlético Nacional-COL. Além disso, o técnico Luiz Felipe Scolari conquistou o título em 1999, pelo Palmeiras, e em 1995, pelo Grêmio.

Agenda

Líder do Brasileirão 2018, com 53 pontos, o Palmeiras volta a campo pela competição nacional no próximo sábado (06), às 18h, no Morumbi, para enfrentar o rival São Paulo. Na sequência, o próximo compromisso do Alviverde será novamente pelo Brasilerio, desta vez, contra o Grêmio, pela 29ª rodada, no Pacaembu, em 14/10 (domingo), às 16h.

O jogo

O Palmeiras demonstrou ter equilibrio desde os minutos iniciais e aproveitou bem sua ótima vantagem imposta no jogo de ida, por 2 a 0, em Santiago-CHI. O Verdão, desde o início, valorizou a posse de bola e trabalhou bem a troca de passes, com poucas falhas e sem dar muito espaço ao time adversário.

Passado meio período da primeira etapa, o Verdão, que já estava com a situação controlada, ficou ainda mais leve com o golaço de Dudu, aos 36 minutos de bola rolando: o Baixinho arrancou do meio de campo, pedalou e chutou com força, de fora da área, de pé esquerdo, para abrir o marcador. (Palmeiras 1×0 Colo-Colo-CHI)

Na única vez em que o Colo-Colo chegou com perigo, logo depois do gol de Dudu, o goleiro Weverton se mostrou muito atento e intercedeu à jogada, trazendo alívio aos quase 38 mil palmeirenses presentes na noite desta quarta-feira no Allianz Parque. Com isso, os times foram para o vestiário com vitória parcial do Alviverde por 1 a 0.

No segundo tempo, o Verdão voltou com o ritmo ainda mais forte. Logo aos seis minutos da etapa final, Dudu invadiu a área chilena e foi puxado. O juiz colombiano Wilmar Roldan, em cima do lance, não teve dúvida e marcou pênalti. Para a cobrança, partiu Borja, que chutou com segurança no canto direito do goleiro e ampliou a vantagem alviverde, se tornando artilheiro da Libertadores, com nove gols. (Palmeiras 2×0 Colo-Colo-CHI)

O Maior Campeão do Brasil praticamente não sofreu grndes sustos até os minutos finais do duelo. Na reta final do certame, aos 30 minutos, o técnico Felipão resolveu mexer no time: entraram Hyoran no lugar de Dudu e Deyverson no lugar de Borja; em seguida, aos 37, ainda entrou Jean na vaga de Willian Bigode. Com 2 a 0 no jogo de ida e também no de volta, o Alviverde passou de fase com tranquilidade.

- Recomendado para Você -