O presidente do Supremo Tribunal Federal, Dias Toffoli decidiu na noite desta segunda-feira (1º) manter a decisão do ministro Luiz Fux que impediu a realização de uma entrevista com o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) pela Folha de S. Paulo.

A decisão de Fux será mantida por Toffoli até que o caso seja levado ao plenário do STF. A ordem veio após pedido de orientação do ministro da Segurança Pública, Raul Jungmann, direcionado ao presidente do Supremo.

- Publicidade -

Esta foi a quarta decisão judicial tomada, apenas no STF. A primeira decisão foi do ministro Ricardo Lewandowski, na sexta passada (28), autorizando a realização da entrevista pela colunista Mônica Bergamo.

No mesmo dia, Fux suspendeu a decisão de Lewandowski, em resposta a pedido feito pelo Partido Novo. A Folha requereu a Lewandowski que sua decisão fosse cumprida, o que foi atendido pelo ministro nesta segunda-feira.

Antes da decisão de Toffoli, ainda falando da determinação de Fux, Lewandowski disse que o Supremo tinha censurado “um dos mais importantes veículos de comunicação do país, impedindo que fizesse uma entrevista com um com um ex-presidente da República”.

O ex-presidente Lula está preso em Curitiba desde abril, cumprindo pena após ter sido condenado pela Operação Lava Jato. A condenação levou o TSE a vetar sua candidatura nas eleições presidenciais deste ano.

Com a colaboração de Juliana Gonçalves, reportagem, Clara Sasse