O aumento da glândula mamária masculina pode ocorrer no período da puberdade ou em associação a alterações hormonais como uso de anabolizantes ou patologias, explica cirurgiã.

Constrangimento e vergonha de tirar a camisa na praia ou no clube são dois problemas de homens que enfrentam o aumento excessivo das mamas.

- Publicidade -

“Isso pode ocorrer tanto no período da puberdade quanto na fase adulta. Em geral, em adolescentes as alterações hormonais naturais dessa fase influenciam, enquanto nos adultos as causas mais relacionados são sobrepeso e uso de anabolizantes”, detalha a cirurgiã plástica Dra. Beatriz Lassance, membro titular da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica e da Isaps.

A especialista ainda alerta que há outras causas ligadas a patologias, como tumores, insuficiência renal, cirrose hepática, dentre outras, e o uso de alguns medicamentos.
Segundo ressalta a Dra. Beatriz Lassance, o tratamento da ginecomastia é um procedimento cirúrgico para resolver o problema, sendo que a cirurgia é realizada em centro cirúrgico sob anestesia local com sedação, bloqueio peridural ou geral, dependendo do caso.

“No entanto, sempre deve ser realizada pesquisa laboratorial antes da retirada das glândulas. Na literatura mundial, existe a possibilidade de cerca de 1% de ocorrência de tumores em mamas masculinas, portanto sempre deve ser realizado exame anátomo patológico das glândulas retiradas”, afirma a médica.

Opções cirúrgicas — Resolver o problema é bem mais simples do que conviver com ele. “Hoje, a cirurgia plástica detém técnicas altamente eficazes e seguras para oferecer ao paciente. Somente lipoaspiração não é uma opção, pois a glândula sempre deve ser enviada para análise”. Portanto, após examinar minuciosamente o paciente, o médico tem à disposição as seguintes técnicas:

*Lipoaspiração local: é indicada em casos nos quais a mama é decorrente apenas do acúmulo gorduroso, e nos exames de imagem não há glândula mamária;

*Retirada da glândula e complementação com lipoaspiração para regularizar a área e cicatriz na parte inferior da aréola: realizada em pacientes com moderado volume de gordura e tecido mamário (boa retração cutânea e sem sobras de pele);

*Retirada da glândula, lipoaspiração regional, cicatriz ao redor da aréola e se necessário no sulco mamário: indicada em situações nas quais existe mama de grande volume com excesso de pele, normalmente característico de paciente com grande perda de peso.
Por fim, a Dra. Beatriz afirma que a cirurgia de redução de mamas traz grandes benefícios ao paciente, pois restaura a sua autoestima e o insere ao convívio social, além de proporcionar um tórax mais reto e firme.

Fonte: Dra. Beatriz Lassance – Cirurgiã Plástica formada na Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo e residência em cirurgia plástica na Faculdade de Medicina do ABC. Trabalhou no Onze Lieve Vrouwe Gusthuis – Amsterdam -NL e é Membro titular da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica, da ISAPS (International Society of Aesthetic Plastic Surgery) e da American Society of Plastic Surgery.