Mais de 16 mil venezuelanos pediram refúgio em Roraima no primeiro semestre deste ano. Os dados são da Polícia Federal e foram divulgados pelo portal G1. Segundo a reportagem, o número já é 20% maior do que o registrado em todo o ano de 2017, quando foram realizados 13.583 pedidos.

De acordo com o portal, foram recebidos 16.953 pedidos de refúgio em Roraima de janeiro a 22 de junho deste ano. A imensa maioria, 16.523 solicitações, mais de 97% do total, é de venezuelanos.

O mês de janeiro foi o que registrou o menor número de pedidos, com 1.111 solicitações. Fevereiro e março ficaram próximos no número de pedidos, com 2.845 e 2.316, respectivamente. Houve aumento no número de solicitações em abril e maio. Foram 4.035 pedidos em abril e 4.054 em maio. Coincidência ou não, os venezuelanos foram às urnas no mês de maio e o presidente Nicolás Maduro acabou reeleito. Em junho, o número de pedidos caiu novamente, foram 2.162 solicitações.

Os dados divulgados pela PF confirmam o aumento no número de pedidos de refúgio por parte dos venezuelanos. Em 2015, foram 253 pedidos. O número aumentou mais de 700% em 2016, quando foram registradas 2.048 solicitações. Aumentos consideráveis em 2017, ano em que foram registrados 13.583 pedidos. Nos seis primeiros meses deste ano já foram registradas 16.523 solicitações, número 20% superior a todo o ano de 2017.

A Lei Brasileira de Refúgio considera como refugiado todo indivíduo que sai do seu país de origem devido a fundados temores de perseguição por motivos de raça, religião, nacionalidade, grupo social ou opiniões políticas imputadas, ou devido a uma situação de grave e generalizada de violação de direitos humanos no seu país de origem.

Considera-se que uma pessoa é perseguida quando seus direitos humanos tenham sido gravemente violados ou estão em risco de sê-lo. Isso pode acontecer, por exemplo, quando a vida, liberdade ou integridade física da pessoa, corra sério risco no seu país.

Reportagem, Paulo Henrique Gomes

- Recomendado para Você -