França e Bélgica disputam nesta terça-feira (10) uma das semifinais da Copa do Mundo da Rússia. O vencedor do confronto, que será disputado em São Petersburgo, às três da tarde, horário de Brasília, garante vaga na grande final da competição.

Belgas e franceses chegam à semifinal com jogadores que fazem parte de gerações jovens, talentosas e promissoras. Grande parte dos convocados para a Copa, nas duas seleções, nasceu na década de 90 e provavelmente ainda irão disputar outros mundiais.

Nunca antes na história da Bélgica a seleção contou com tantos talentos como em 2018. No gol, a segurança de Courtois. Os zagueiros Vertonghen e Kompany garantem a solidez defensiva. Witsel e Fellaini são os responsáveis pela consistência no meio de campo. No ataque, o trio ternura capaz de atormentar qualquer defesa. A categoria de De Bruyne, a habilidade de Hazard e a força de Lukaku tiram o sono de qualquer defensor.

- Publicidade -

Após eliminar o Brasil nas quartas de final, a Bélgica chega para o duelo contra a França com a moral elevada, e sonha em chegar à primeira final de Copa em sua história.

Já a França chega para o confronto considerada por muitos como a seleção que apresenta o melhor futebol dessa Copa. E não é para menos. Com uma solidez defensiva e muita, mas muita velocidade no ataque, os franceses apostam suas fichas em Griezmann e Mbappé.

O jovem de 19 anos, companheiro de Neymar no PSG, impressionou a todos com sua habilidade e arrancadas à la Ronaldo Fenômeno. Os franceses também contam com Umtiti e Varane na zaga, Kanté e Pogba no meio-campo. Um time que impõe respeito.

Ambas as equipes chegam para a partida com força máxima. Seus principais atletas estão 100% e os cartões zeram nas semifinais. Com isso ninguém entra em campo pendurado.

Uma curiosidade marca o duelo entre franceses e belgas. Thierry Henry é o maior artilheiro da história da seleção da França, com 51 gols. É dele também a marca de jogador com mais partidas em mundiais pela seleção francesa, com 17 jogos, e o recorde de participações em Copas, com quatro mundiais disputados pela França. E no jogo desta terça? Ele estará no lado da… Bélgica.

É isso mesmo. Henry, que foi campeão mundial pela França em 1998, agora é auxiliar técnico da Bélgica e espera contribuir para que a equipe alcance sua primeira final de Copa. Certamente a experiência do atacante contribuiu para que a Bélgica tenha atualmente o melhor ataque da Copa, com 14 gols marcados.

França e Bélgica já se enfrentaram duas vezes em Copas. E os franceses saíram vencedores nas duas ocasiões. Em 1938, vitória da França por 3 a 1. O jogo era válido pelas oitavas de final. Em 1986, no México, o duelo foi pelo de terceiro lugar. Novamente os franceses levaram a melhor, dessa vez por 4 a 2. A ocasião marcou a melhor campanha dos belgas em Copas, que acabaram na quarta colocação.

E você? Ainda não digeriu a derrota do Brasil para os belgas e vai torcer para a França? Ou ainda não esqueceu do que os franceses fizeram com a gente em 98 e vai torcer para os belgas? O fato é que quem vencer irá disputar a final da Copa, no domingo, ao meio-dia, horário de Brasília.

Reportagem, Paulo Henrique Gomes

#Copa2018