- Publicidade -

Copom pode reduzir juros básicos pela 11ª vez seguida nesta semana

- Publicidade -

Pouco mais de um mês depois de reduzir os juros básicos para o menor nível da história, o Comitê de Política Monetária do Banco Central (Copom) faz a primeira reunião de 2018 esta semana para definir os rumos da Taxa Selic. A expectativa de instituições financeiras é que os juros caiam de 7% para 6,75% ao ano.

Se a expectativa se confirmar, será o 11º corte seguido na taxa básica. Em dezembro, o Copom reduziu, por unanimidade, a Selic em 0,5 ponto percentual, de 7,5% para 7% ao ano, o menor nível da história.

- Publicidade -

Anteriormente, o recorde inferior da taxa Selic havia sido registrado de outubro de 2012 a abril de 2013, quando a taxa ficou em 7,25% ao ano. Em seguida, a taxa foi reajustada gradualmente até alcançar 14,25% ao ano em julho de 2015, patamar mantido nos meses seguintes. Somente em outubro de 2016, o Copom voltou a reduzir os juros básicos da economia.

- Publicidade -

Inflação

Apesar da expectativa do mercado financeiro de nova redução dos juros, o ex-diretor do Banco Central (BC) Carlos Eduardo Freitas diz que o ideal seria a autoridade monetária manter os juros básicos em 7% ao ano e esperar a próxima reunião, no fim de março, para decidir se baixará os juros. Segundo ele, a taxa real – diferença entre a Selic e a inflação – está baixa, e uma nova redução traria o risco de a inflação ter uma leve alta.

“Minha impressão é que o Banco Central não tem espaço para cortar mais 0,25 ponto percentual da Selic. Isso pressionaria a demanda, que pode ficar em excesso num momento de recuperação econômica e resultar na elevação de preços lá na frente. Eu preferiria esperar até março para ver se a economia vai se firmar para decidir se é possível uma nova redução”, diz Freitas.

- Advertisement -

A expectativa do mercado financeiro é que a inflação, medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), termine este ano em 3,95%, abaixo do centro da meta de, 4,5%. Para o ex-diretor do Banco Central, também não existem motivos para o Banco Central aumentar os juros, mesmo com as seguidas altas nos preços dos combustíveis. “Os combustíveis têm peso fraco no IPCA. O índice de inflação é uma média e é importante lembrar que os demais preços estão sob controle. Não vai existir uma supersafra este ano, mas isso não significa que os preços dos alimentos vão subir”, acrescenta.

Apesar de recentes oscilações do dólar, Freitas diz que não existe uma pressão do câmbio sobre os preços no momento. Ele ressalta que o quadro pode mudar dependendo da economia internacional e das tensões eleitorais no Brasil, mas hoje considera remota a possibilidade de alta na Selic nos próximos meses. “Nem existe uma pressão cambial. O dólar está comportado. Na verdade, os fatores externos estão neutros este ano, o que não justificaria um aumento de juros neste e nos próximos meses”, acrescenta.

Referência

A taxa básica de juros é usada nas negociações de títulos públicos no Sistema Especial de Liquidação e Custódia (Selic) e serve de referência para as demais taxas de juros da economia.

Ao reajustá-la para cima, o Banco Central segura o excesso de demanda que pressiona os preços, porque juros mais altos encarecem o crédito e estimulam a poupança. Ao reduzir os juros básicos, a tendência do Copom é baratear o crédito e incentivar a produção e o consumo, mas enfraquece o controle da inflação.

- Publicidade -

Falando Nisso...
Conteúdo Relacionado

Mais Notícias
Conteúdo recomendado para você

MP extingue multa adicional de 10% do FGTS que ia para União

A multa de 40% para o trabalhador não foi extinta

Reforma da Previdência é promulgada pelo Congresso

O texto altera regras de aposentadorias e pensões para mais de 72 milhões de pessoas

México concede asilo político a Evo Morales

Líder boliviano renunciou ao cargo em meio à forte crise no país

Bolsonaro assina MP que extingue o Dpvat

Acidentes ocorridos até o fim de 2019 continuam cobertos

Toyota Corolla: entenda a diferença de desvalorização entre as gerações

Toyota Corolla SE-G automático possui a maior diferença de desvalorização entre gerações, com -10,19%. Por outro lado, a versão GLi automática desvaloriza apenas -4,89% anualmente

CNN Brasil anuncia Caio Junqueira e Raquel Landim como comentaristas de política e economia

O canal de notícias 24 horas estará disponível em breve para assinantes da TV paga

Com participação de Adriana Bombom, Vou Pro Sereno lança clipe

Bem-humorado, vídeo de "Eu Volto Pra Almoçar" traz diversos personagens para mostrar um domingo qualquer de futebol no subúrbio

Horóscopo de terça-feira 12 de novembro de 2019

Descubra o que os astros estão reservando para seu dia

Linha Amarela é a melhor opção entre as zonas Norte e Oeste

A pista segue livre de bolsões d'água

TJ libera uso de paletó e gravata a partir de 1º de dezembro

A liberação vai até o dia 20 de março de 2020

Enem: Candidatos que se sentiram prejudicados podem pedir nova prova até o dia 18

Inep vai dar a resposta às solicitações ainda em novembro

Vasco da Gama pode garantir permanência na Série A contra o Flamengo

Time de Luxemburgo venceu por 3 a 0 pela primeira vez no Brasileirão

Bolsonaro entrega 4,1 mil moradias populares na Paraíba

Empreendimento beneficiará 16 mil pessoas

Vasco da Gama reencontra a vitória contra o CSA-AL, veja os gols

Em duelo válido pela 32ª rodada, Cruzmaltino faz 3 a 0 sobre o Azulão, reencontra o caminho da vitória e sobe de posição na tabela

Horóscopo de segunda-feira 11 de novembro de 2019

As previsões para o amor, dinheiro e saúde.