22.2 C
Rio de Janeiro
quarta-feira, 22 de maio de 2019 6:3025
- Publicidade -

Brexit testa força parlamentar de Theresa May

- Publicidade -

O Parlamento britânico medirá nesta segunda-feira (11) a força da primeira-ministra conservadora, Theresa May, em uma votação para revogar milhares de leis e diretrizes europeias de ordenamento jurídico.

O apoio dos deputados unionistas norte-irlandeses do DUP e a falta de oposição dentro do Partido Conservador devem resultar em uma vitória de May, mas momentânea: esta será a segunda leitura de um projeto de lei que depois entrará no terreno pantanoso dos comitês parlamentares, onde podem surgir as emendas que a primeira-ministra quer evitar a qualquer custo.

- Advertisement -

A lei é, na realidade, um exercício de cortar e colar, como descreveu o jornal “The Times”, e consiste basicamente em transferir todas as leis europeias – quase 12.000 – para o ordenamento britânico. O objetivo é que, no dia em que o Reino Unido deixar a União Europeia (UE), em março de 2019, empresas e cidadãos não enfrentem milhares de mudanças.

“As empresas e os cidadãos precisam de garantias de que não acontecerão mudanças inesperadas em nossas leis no dia da saída, e isto é exatamente o que a Lei de Revogação proporciona”, disse o ministro para a saída da UE, David Davis.

“Um voto contra esta lei é um voto a favor de uma saída caótica da União Europeia”, afirmou.

A controvérsia reside no que acontecerá depois, segundo as pretensões do governo.

Como muitas leis exigirão ao menos mudanças cosméticas — onde existem menções a tratados europeus, ou à UE – , o governo deseja que os ministros possam fazer as alterações sem passar pelo Parlamento, com base no que é conhecido como “poderes de Henrique VIII”, por sua origem histórica.

‘Afronta ao Parlamento’

A oposição teme que o governo abuse de tais poderes e introduza mudanças profundas, não meramente formais, e que, pelo caminho, sejam retirados direitos até agora protegidos por leis e tribunais europeus.

O governo pediu união em nome do interesse nacional e prometeu que muitas mudanças serão pequenas e técnicas e que, no caso de alterações de maior envergadura, as questões serão submetidas ao Parlamento.

Mas Keith Starmer, porta-voz para temas do Brexit do Partido Trabalhista – o principal da oposição -, chamou o projeto de lei de “afronta ao Parlamento”, em um artigo no jornal “Sunday Times”.

Como é estabelecido por lei, “são os ministros que decidirão nossos novos acordos comerciais, alfandegários e migratórios, qualquer acordo sobre os direitos dos cidadãos e muito mais”, argumentou Starmer.

O debate político tem sido marcado pelas diferenças políticas sobre o futuro do Reino Unido fora da UE.

Desde o referendo de junho de 2016, os partidos políticos britânicos não concordam sobre a mensagem que o eleitorado britânico quis transmitir, para além do simples desejo de sair da UE depois de 44 anos.

May e os conservadores argumentam que os britânicos se cansaram da imigração e estão dispostos a tirar o país do mercado único europeu e de qualquer mecanismo que os impeça de controlar a chegada de trabalhadores europeus.

Os trabalhistas, no entanto, defendem a permanência no mercado único europeu e a manutenção da máxima integração possível estando fora da UE.

Enquanto isso, multiplicam-se as vozes que reivindicam abertamente um passo atrás e o fim do processo de saída, que deverá culminar em março de 2019 após dois anos de negociações. Assim, milhares de pessoas tomaram as ruas de Londres no sábado para exigir o fim do Brexit.

Últimas Notícias

“Chega” de homofobia no futebol, pede Antoine Griezmann

"A homofobia não é uma opinião, é um crime", disse o atacante

Vasco da Gama chega a dois meses de salários atrasados e jogadores podem sair

O receio da diretoria é de perder peças importantes por conta da insatisfação com a situação a qual o clube chegou.

Caças dos EUA interceptam bombardeiros russos na costa do Alasca

A esquadra russa incluía dois bombardeiros estratégicos Tu-95, que foram interceptados na segunda-feira por dois caças F-22

Apenas 38,7% das vagas do Fies foram preenchidas no primeiro semestre

Das 100 mil vagas ofertadas, foram assinados 38.793 contratos

Embratur tem seu terceiro presidente em pouco menos de seis meses no governo Bolsonaro

Gilson Machado teve sua nomeação para o cargo publicada no Diário Oficial da União desta terça

Adidas, Puma e Nike consideram novas tarifas à China catastróficas

Trump elevou a 25% as tarifas já existentes sobre US$ 200 bilhões em produtos chineses

Fitch mantém nota de classificação de risco do Brasil

A agência manteve a perspectiva estável para o país, indicando que a classificação não deve ser alterada nos próximos meses.

Termina primeira audiência do julgamento de Cristina Kirchner

A audiência de hoje foi a primeira de um processo que deve durar o ano todo

Caixa começa a chamar candidatos aprovados no concurso de 2014

O presidente da Caixa, Pedro Guimarães, disse que as contratações têm por objetivo o fortalecimento da rede de agências, valorizando o atendimento aos clientes.