- Publicidade -

‘É preciso recompensar quem aponta corrupção’, diz advogado

O advogado Carlos Ari Sundfeld, professor de Direito Administrativo da FGV-SP, é um dos responsáveis por um estudo que propõe “medidas de colaboração público-privada contra a corrupção”. O objetivo é ter um conjunto de propostas não penais para prevenir atos ilícitos envolvendo recursos públicos. Entre as medidas estão a recompensa administrativa – por meio de privilégio nas licitações futuras para contratações públicas – a empresas que denunciarem cartéis e sobrepreços. O estudo propõe ainda “estímulos” por meio do recebimento de parte das indenizações e multas que forem arrecadas para gestores que colaboram nas investigações. Leia, a seguir, trechos da entrevista.

Quais medidas alternativas às soluções penais podem prevenir a corrupção?

Uma parte delas está ligada à reforma do regime de licitações e contratos. Nesse trabalho tem projetos de lei, emenda constitucional, nos quais estão propostas mudanças no regime das contratações e das licitações públicas para tentar influenciar na melhoria da competição e, com isso, diminuir as barreiras burocráticas na execução do contrato que geram oportunidades de corrupção e insegurança. O outro lado é um conjunto de medidas na esfera administrativa que possa pôr barreiras à corrupção e facilitar sua descoberta sem ser necessariamente por meio de medidas penais ou de colaboração penal.

Há práticas reiteradas de corrupção mesmo com a Lava Jato na rua. A sensação de impunidade prevalece na gestão pública?

Acho que sim. Ela diminui um pouco porque os riscos aumentaram, mas há um histórico de gente que vive dessas práticas. Deve estar faltando mecanismos que coíbam a corrupção. É importante combater a corrupção no processo penal, mas é preciso barrar as oportunidades para ela não ocorrer.

O senhor se refere a uma reforma da Lei de Licitações? O que precisa ser mudado?

Dou dois exemplos. Um na área da licitação, no processo da escolha da empresa, e outro na gestão do contrato. Na área da licitação, a Lei 8.666 é ainda muito afetada pela ideia de proteção de certos tipos de empresas. Exemplo: regras de proteção das empresas brasileiras. Esse fechamento do mercado não começou agora. A história da Petrobras é ligada ao fechamento do mercado. Essas ideias repercutiram na Lei 8.666. Está lá que nos consórcios entre empresas brasileiras e estrangeiras, a brasileira vai ser a líder do consórcio. Há ainda proteções do mercado para empresas brasileiras, o que diminui a competição, e para empresas que já atuam no mercado público. A regra de habilitação, para que uma empresa possa participar do processo, é focada na apresentação de atestado de desempenho anterior, em obras e serviços semelhantes. É um mecanismo para que não haja muita contestação ao mercado dessas empresas. Isso precisa mudar. É preciso aumentar a competição. Nos contratos, o problema é o excesso de discricionariedade da administração pública. O que acontece? Um fenômeno: a tal pedalada contratual. A administração não paga e acha que não tem obrigação de pagar, até porque a lei prevê que o contratado só pode pedir a rescisão do contrato após 90 dias de atraso. Sabe lá o que é acumular 90 dias de crédito? É uma loucura. O que acontece é que esta empresa vai ser pressionada a encontrar caminhos para liberar o contrato.

As propostas se baseiam em experiências internacionais?

Uma das nossas sugestões é usar mecanismos já utilizados no exterior ou na esfera penal para incentivar a maior reação dos agentes à corrupção. Um dos incentivos que se pode dar é recompensa financeira para quem der informações na esfera administrativa, e não só na área penal, que levem à descoberta de práticas de corrupção. Isso para incentivar os gestores que não têm nada a ver com isso, mas que estão vendo as coisas. Eles estão lidando com máfias. Então, é preciso criar incentivos para essas pessoas denunciarem. Outra coisa que podemos fazer é dar vantagens às empresas que revelam práticas de cartel. Porque um dos mecanismos dos desvios que a Lava Jato mostrou é um acordo entre empresas.

É uma especial de delação premiada empresarial?

É. Mas com um efeito na licitação, com vantagem comercial.

A Lava Jato tem sido questionada pelos métodos. O Ministério Público Federal argumenta que práticas constantes ou reiteradas de corrupção justificam as prisões preventivas…

A prisão é um instrumento eficiente para desmontar esquemas e desestruturar pessoas que estão sendo investigados. E isso pode ser positivo para as investigações. Agora, de outro lado, essas prisões são decretadas sempre com elementos precários, indícios. E o risco é que não tem muito critério objetivo na lei para impedir excessos. É um risco enorme.

Há uma crítica de que as prisões são usadas para forçar delação. Qual a sua opinião?

Existe uma lenda de que as delações estão sendo todas forçadas. É natural que isso se espalhe, especialmente pelas pessoas que são acusadas. Em grande medida, é lenda. Por quê? Porque muitas das informações que surgiram nos depoimentos foram confirmadas por outros depoimentos, por outros delatores em negociação com outros procuradores, em circunstâncias diferentes, ou surgiram documentos.

Estadão Conteúdo

- Advertisement -

Assine nossa Newsleter

Receba as principais notícias do Brasil e do mundo em seu email

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Mais Notícias Relacionado
Recomendado para você

- Patrocinado -
- Publicidade -

Governo anuncia medidas para combater incêndios na Amazônia

Presidente Jair Bolsonaro autorizou atuação das Forças Armadas na região para combater atividades ilegais e conter o avanço das queimadas e autorizou o IBAMA a contratar brigadistas temporários

Trump chega à França para participar da cúpula do G7

O avião do presidente norte-americano pousou no Aeroporto de Merignac, em Bordéus, sudoeste da França,

Lava-Jato investiga ex-presidente da Petrobras e sócio do banco BTG Pactual

PF investiga crimes de organização criminosa, corrupção ativa e passiva e lavagem de dinheiro, após delação do ex-ministro Antonio Palocci

Bolsonaro diz que incêndios na Amazônia não podem gerar sanções ao Brasil

Presidente fez pronunciamento nesta sexta falando sobre a Amazônia

Babilônia Feira Hype entrega novo gramado na Praça das Figueiras

O evento de entrega do gramado vai acontecer no sábado, 24, às 15h

Marcos Jr comenta escalação do Vasco da Gama para encarar o São Paulo

Volante comentou nova formação e exaltou atmosfera de São Januário

Nova temporada de Marvel’s Agents of S.H.I.E.L.D. chega ao Sony Channel

A sexta temporada, que estreia no dia 27 de agosto, às 22h55, terá 13 episódios, ao invés dos 22 de anos anteriores.

Flutuante Rio traz Música no Deck com Prislla Dj

DJ desembarca de turnê na Europa agitando os cariocas
- Publicidade -

Brasil gerou 43,8 mil empregos formais em julho

É o quarto mês consecutivo com saldo positivo na geração de empregos

Anvisa e Vigilância Sanitária do Rio realizam operação no Galeão

De olho na prevenção de riscos à saúde, ação resultou em 15 infrações no aeroporto que, a partir desse sábado, 24, vai operar também os voos do Santos Dumont

Raquel Dodge prorroga força-tarefa da Lava Jato por um ano

A equipe também continuará com orçamento de aproximadamente R$ 800 mil para gastos com pagamentos de diárias e passagens para procuradores e servidores que estiverem no trabalho de investigação

Governo está procurando terrorista da Al Qaeda no Brasil

A informação foi dada por Sergio Moro e Ernesto Araújo.

Preço do gás natural pode cair 60% em dois anos

A expectativa do Governo do Estado é terminar os estudos sobre essa revisão em três meses

Peça infantil ‘A Lâmpada Mágica’ é atração do West Shopping

A entrada é gratuita com classicação livre

Flamengo e São Paulo ‘secam’ o Santos em busca da liderança

Peixe pega o Fortaleza na Vila Belmiro, enquanto Tricolor e Mengão jogam fora de casa

Coxinha: o salgado mais brasileiro ganha diferentes versões em bares e restaurantes cariocas

Confira releituras cariocas do salgado queridinho da família imperial

Resultado das eleições primárias da Argentina surpreendeu tanto macristas quanto kirchneristas, avalia professor

O atual presidente Maurício Macri perdeu para a chapa de Cristina Kirchner e Alberto Fernandez por 10 pontos percentuais

Chapa Fernández-Kirchner vence eleições primárias na Argentina

A inflação na Argentina terminou o primeiro semestre deste ano em 22%, e 32% da população se encontram na linha da pobreza.

‘Prévia’ do PIB mostra necessidade de aprovação de reformas para país voltar a crescer, aponta economista

IBC-Br, medido pelo Banco Central, indicou recuo de 0,13% no 2º trimestre deste ano

ENCCEJA: prova será em 25 de agosto

A avaliação é destinada a brasileiros que não concluíram o ensino fundamental ou médio em idade adequada.

Guedes sobre recuperação econômica: “Tenham um pouco de paciência”

Em sua fala, Guedes fez uma longa defesa de políticas liberais contra o “atraso cognitivo”

Confira a escalação do Vasco da Gama contra o São Paulo

Com quase 80% de aproveitamento em jogos em São Januário na temporada, o Vasco conta mais uma vez com a força da torcida
video

MARIA lança clipe da música “Acabou”

Novo single autoral inicia série de lançamentos e novidades da artista carioca

Vasco da Gama tem interesse em 3 atacantes e dois meias

O Gigante da Colina continua com sérias restrições orçamentarias e mudou o perfil de atleta que buscava no mercado.
- Publicidade -
- Publicidade -

Deu o que falarPOPULAR
As noícias mais lidas da semana

Coxinha: o salgado mais brasileiro ganha diferentes versões em bares e restaurantes cariocas

Confira releituras cariocas do salgado queridinho da família imperial

‘De Férias com o Ex Brasil: Celebs’ tem ex-BBB, ex-Fazenda, ex-Chiquititas e ex-The-Voice

Pabllo Vittar e Vitor Kley farão participações musicais na temporada

Marcos Jr comenta escalação do Vasco da Gama para encarar o São Paulo

Volante comentou nova formação e exaltou atmosfera de São Januário